sábado, 1 de março de 2008

Revista "CLAUDIA" - Isabel, a redentora - Uma princesa dividida


Matéria publicada na revista “Claudia” com uma análise muito interessante. A República soube passar da Princesa Isabel uma imagem de mulher carola e que era levada pelos acontecimentos. Porém, Da. Isabel, a Redentora sabia como provocar os fatos. Novos documentos estão surgindo, novos historiadores estão publicando seus estudos que mostram em toda sua estatura a nossa querida e sempre lembrada Princesa Isabel.  Mauro Demarchi



Isabel, a redentora - Uma princesa dividida

Paula Taitelbaum
Bem diferente da figura apagada dos livros de história, a princesa quesurge em pesquisas mais recentes e numa carta descoberta há pouco é bem colorida: governou com coragem um Brasil patriarcal, quis o voto feminino e,numa época em que as uniões eram regidas por interesses, insistiu em casar por amor. Mas nada disso saiu de graça

Olho para uma antiga foto, datada do final do século 19, tentando captar algo que vá além do tanto que já li e ouvi a respeito dessa mulher. Presto atenção na figura em preto e branco, analisando o rosto e seus detalhes. Ao mesmo tempo, peço uma inspiração, uma máquina do tempo imaginária que me mostre o caminho para chegar ao passado e desvendar, de fato, essa personagem tão pouco explorada nas nossas cartilhas escolares: a princesa Isabel. Há algo em sua expressão - uma doçura? - que me faz crer que ela se parece demais com minha avó materna. Aliás, não é só isso. É todo o conjunto de traços. Os olhos claros e levemente caídos, as maçãs do rosto marcadas, os lábios não muito grossos e ao mesmo tempo bem desenhados... Sim, pelo menos nessa foto, Isabel é muito semelhante a algumas imagens que habitam o álbum da minha família. O que me leva a um súbito sentimento de ternura pela princesa, como se ela fosse uma parente próxima. E que também me inspira a pensar que nossas figuras históricas não deixam de ser como nossos antepassados: ao saber mais sobre eles, entendemos um pouco mais a respeito de nós mesmos. Descobrir quem foi Isabel Cristina Leopoldina Augusta Michaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Orleans e Bragança, portanto, talvez não seja apenas uma necessidade histórica, mas um impulso biológico. Nos entreguemos a ele então.

Se você mal teve tempo de abrir um jornal ou ligar a televisão nos últimos tempos, pode estar se perguntando por que, afinal, resolveram despertar a mais famosa princesa do Brasil justo agora. Pois Isabel voltou a ser assunto quando uma carta, supostamente escrita por ela e endereçada ao visconde de Santa Vitória, veio a público. O documento, guardado por 117 anos pelos descendentes do visconde, agora faz parte do arquivo particular do Memorial Visconde de Mauá. Datado de 11 de agosto de 1889, revela uma face da princesa até então oculta para a maioria de nós. Nas quatro páginas manuscritas, ela defende a indenização de ex-escravos, a reforma agrária e o voto feminino: "Quero agora dedicar-me a libertar as mulheres dos grilhões do captiveiro domestico, e isto será possível atravez do Sufragio Feminino! Si a mulher pode reinar também pode votar!"
Para comprovar que a filha de dom Pedro II escreveu mesmo essas linhas, um exame grafológico foi realizado pela especialista Fátima Argon, chefe do Arquivo Histórico do Museu Imperial, em Petrópolis, no Rio de Janeiro. Mesmo com o resultado positivo, no entanto, alguns historiadores contestaram sua veracidade, baseados no fato de que a assinatura e outros detalhes diferem do padrão de correspondência da princesa. Como se ela não pudesse se dar ao luxo de quebrar certas regras de vez em quando. Se bem que, cá entre nós, seu comportamento não tinha como se afastar muito do modelo ideal na época: esposa exemplar e mãe dedicada. Já seus pensamentos, sabe-se lá.
Isabel foi preparada desde a mais tenra idade para suceder o pai no trono imperial, pois seus irmãos faleceram precocemente. Dom Pedro II e dona Teresa Cristina esmeraram-se na educação das duas filhas que sobreviveram: Isabel e Leopoldina tiveram diversos professores estrangeiros e sua preceptora foi Luísa Margarida Portugal de Barros, a condessa de Barral, que, de acordo com a historiadora Mary Del Priore, tornou-se também sua amiga e confidente. A Barral era uma mulher culta e de mente aberta, politicamente engajada, que defendia o reconhecimento da opinião feminina. Não é à toa que encantou dom Pedro II e, dizem, foi sua amante durante anos. Difícil imaginar que sua forte personalidade não tenha, de alguma forma, influenciado a pupila e amiga.

A princesa nasceu no Rio de Janeiro em 29 de julho de 1846. Ou seja, este mês comemoram-se 160 anos de seu nascimento. Leonina, vaidosa e poliglota, era um exemplo de aristocracia e diplomacia, como convinha a uma nobre educada mais para apaziguar do que para confrontar. Quando menina, sonhava em casar-se e ter filhos e uniu-se ao homem que escolheu junto com o imperador. "Deus e os nossos corações decidiram", teria escrito Isabel em seu diário. Numa época em que as famílias de elite realizavam os casamentos pelo tamanho da fortuna e pelo poder político, o amor também esteve presente no seu critério de escolha. O eleito foi o nobre francês Gastão d'Orleans, o conde d'Eu. Enlaçaram-se no Rio de Janeiro quando Gastão tinha 22 anos e Isabel 18 - ela completamente apaixonada, ele não se sabe ao certo. No livro Princesa Isabel do Brasil: Gênero e Poder no Século XIX, o biógrafo e pesquisador Roderick J. Barman cita trechos de uma carta que a princesa teria enviado ao marido: "Eu quero tanto ser a mãe do teu filho, ter um filho de quem eu amo tanto, de quem eu amo acima de tudo, meu amor!" Só que tamanha vontade não foi suficiente para trazer os filhos com rapidez. Isabel teve muita dificuldade para engravidar, sofreu alguns abortos e, somente depois de 11 anos de casada, enfim foi mãe. Tiveram três filhos: os príncipes Pedro, Luís e Antônio.
A paixão pela família disputava espaço com a dedicação à igreja. Suas relações com religiosos influentes eram muito próximas e ela os escutava com atenção em suas decisões. Já o poder, que ela assumiu em três períodos diferentes (a primeira vez com apenas 25 anos!), sempre durante as viagens do pai à Europa, nunca a seduziu. Governar não era fácil para ela, já que significava manobrar com habilidade dois times opostos: os liberais e os conservadores - e, pior, numa sociedade que era patriarcal até a medula. Imagine você o que nossa princesa não teve que enfrentar: para os políticos da época, era praticamente inadmissível obedecer às ordens de uma esposa e mãe e vê-la intrometer-se na formação de câmaras e gabinetes.

Havia uma má vontade explícita com seu governo de saias e isso se espelhava na imprensa, que a criticava sem dó. Mas ela não se deixava abalar. E, como uma fruta exótica que aos poucos vai se acostumando com o clima local, Isabel foi amadurecendo e aprendendo a lidar melhor com as diversas situações que surgiam. No livro Brasil: Uma História, Eduardo Bueno escreve: "...Aos 41 anos, Isabel não lembrava em nada a menina que, transformada em herdeira da Coroa pela morte dos irmãos, Pedro e Afonso, assumira aquele mesmo cargo pela primeira vez em 1871, anotando no diário: 'Muito esquisito ver-me assim, uma espécie de imperador, sem barba e sem barriga...' "

A historiadora Mary Del Priore conta que, no final do século 19, Isabel provavelmente aderiu à agenda proposta por vários jornais e revistas escritos por mulheres. Neles, discutia-se o aprimoramento da educação feminina e o acesso da mulher a áreas do conhecimento antes consideradas exclusivamente masculinas, como a medicina. Embora nunca tenha sido uma líder política, nem por isso era uma alienada. Engajou-se de coração na luta abolicionista, alforriando escravos, escondendo fugitivos no Palácio de Petrópolis e abrindo as portas para amigos negros. Depois de assinar a Lei Áurea em 13 de maio de 1888, passou a ser adorada pelo povo simples, que a considerava a Redentora da escravidão. Era tão querida pelos negros livres que eles formaram a Guarda Negra, grupo de ex-escravos que, a pretexto de proteger a princesa, badernava os comícios republicanos recorrendo muitas vezes à violência.

"Não fiquemos mais no passado, pois o futuro nos será promissor, se os republicanos e escravocratas nos permitirem sonhar mais hum pouco", diz outro trecho da carta ao amigo visconde com a intenção de captar recursos para comprar terras a ser doadas aos ex-escravos. Mais um indício de que Isabel foi uma mulher que sonhou - mesmo em meio à ambigüidade de possuir um olhar para o futuro, mas estar atrelada ao peso do passado. Sua maior tristeza, como conta a história, viria com o golpe republicano de 15 de novembro de 1889. "É com o coração partido de dor que me afasto de (...) todos os brasileiros", assinou Isabel, condessa d'Eu, no dia seguinte à proclamação da República. Exilada na França com a família, ela viveu até os 75 anos, ao lado do seu conde e dedicando-se à caridade. E, assim, o que teria sido do Brasil sob sua batuta virou mera suposição.

Volto a olhar a fotografia... Penso que é muito complexo - e por vezes injusto - analisar uma figura histórica com os olhos de uma mulher de hoje. Antes, eu achava que Isabel era apenas uma assinatura. Agora, consigo ver que ela foi mais do que isso. Um viva à princesa!


CLAUDIA - Isabel, a redentora - Uma princesa dividida.

Nenhum comentário: