domingo, 13 de junho de 2010

Mostra em Munique revela casamento secreto da princesa Amélie

Mostra em Munique revela casamento secreto da princesa Amélie

Amélie e sua única filha com D. Pedro, Maria Amélia, que morreu aos 22 anos
Em 1829, foi acordado o casamento de Amélie von Leuchtenberg, filha de um enteado de Napoleão, com o imperador D. Pedro 1º. A princesa cresceu em Munique, cidade que hospeda agora uma mostra sobre a imperatriz do Brasil.

O Palácio de Leuchtenberg, em Munique, abriga até o próximo mês de setembro a exposição Estritamente confidencial! – Munique, Rio de Janeiro, Amélie von Leuchtenberg torna-se imperatriz do Brasil.

O prédio que hoje abriga a Secretaria das Finanças da Baviera foi a residência onde a princesa Amélie von Leuchtenberg passou parte de sua infância e onde se realizou seu casamento com o imperador D. Pedro 1º do Brasil, em 30 de maio de 1829.

A exposição partiu de relatos do conde Friedrich von Spreti sobre a ida de Amélie ao Brasil. Ao conde, antes acompanhante oficial do irmão mais velho da princesa – Augusto –, foi designada a função de administrador financeiro da viagem nupcial. Em 2008, seu diário de bordo foi editado em livro (Das Reisetagebuch des Grafen Friedrich von Spreti: brasilianische Kaiserhochzeit 1829).

A obra foi organizada pelo herdeiro Heinrich von Spreti e por Suzane von Seckendorff, curadora da mostra sobre a imperatriz do Brasil. "O livro é o cerne da exposição. Transformamos quase 400 páginas em banners e vitrines", afirma ela. Além da viagem, Von Spreti também registrou o cotidiano do Rio de Janeiro da época – desde detalhes como o preço de um ingresso de teatro ao matrimônio de Amélie e D. Pedro.

O casamento

Amélie Auguste Eugénie Napoleone de Beauharnais nasceu em 13 de julho de 1812 em Milão. Era a terceira filha do príncipe Eugène, enteado de Napoleão Bonaparte – o qual, ao abdicar, obrigou a família Beauharnais a fugir para Munique, em 1817. Amélie foi declarada princesa de Leuchtenberg e sua beleza chamou a atenção dos emissários de D. Pedro 1º, que buscavam uma noiva para o imperador.

Após longas negociações, o contrato de casamento entre a princesa e D. Pedro foi concluído em maio de 1829. A união deveria ser mantida em segredo e a nova imperatriz teve de viajar sob uma identidade falsa a outra cidade alemã, onde permaneceria até a sua partida para o Brasil. O matrimônio foi realizado por procuração em 2 de agosto do mesmo ano, na capela do Palácio de Leuchtenberg. A viagem ao Rio de Janeiro teve início dois dias depois.

Antes de embarcar


No Brasil, o casamento foi celebrado na Capela Imperial do Rio de Janeiro

Para a curadora Von Seckendorff, uma das curiosidades sobre a vida de Amélie é o fato de a princesa ter recebido, nos meses que antecederam a partida da comitiva nupcial para o Brasil, aulas diárias de língua portuguesa e sobre a cultura brasileira. "Podemos chamar o tutor de Amélie, o explorador Friedrich von Martius, de primeiro treinador intercultural da história", considera a curadora.

Outro fato curioso retratado na mostra diz respeito aos Conselhos à minha amada filha Amélie, carta escrita pela duquesa Auguste Amalie antes da partida da filha ao Brasil. "Na época, dizia-se que D. Pedro costumava favorecer os portugueses e a duquesa alertou Amélie: 'Como imperatriz dos brasileiros, tome sempre o partido inequívoco do Brasil'", conta Von Seckendorff.

Brasil e Alemanha

Amélie e D. Pedro tiveram um casamento breve, porém feliz. Era uma espécie de confirmação dos dizeres "amor e fidelidade" da Imperial Ordem da Rosa, criada pelo imperador brasileiro em 1829, em homenagem à então noiva Amélie.


Imperial Ordem da Rosa, homenagem de D. Pedro à noiva Amélie

A imperatriz ficou viúva já em 1834, três anos após a abdicação de D. Pedro 1º. "Talvez a importância de Amelié fosse maior hoje se ela tivesse sido imperatriz por mais tempo. Infelizmente, quase ninguém conhece sua história no Brasil", lamenta Von Seckendorff.

A curadora destaca também a relevância histórica de outros membros da família da princesa. Seu pai, Eugène de Beauharnais, além de enteado de Napoleão, era uma espécie de ídolo popular na Alemanha, conhecido por seu espírito idealista. "D. Pedro 1º mandou editar uma biografia do príncipe de Beauharnais e tinha fotos suas espalhadas pelo palácio", afirma Von Seckendorff.

Além disso, o irmão da imperatriz, August von Leuchtenberg, casou-se com a princesa Maria da Glória, filha de D. Pedro 1º e futura rainha de Portugal. A curadora da exposição relata que o príncipe era um grande colecionador de história natural e pretendia mostrar a natureza brasileira de forma científica, de acordo com a zoologia e a geologia.

O interesse pela vida de Amélie von Leuchtenberg tem se mostrado maior do que o esperado já nas primeiras semanas de exposição. Segundo Von Seckendorff, na Europa há uma curiosidade muito grande pelo Brasil e os visitantes não são apenas pessoas relacionadas de alguma maneira ao país. A curadora diz que uma das intenções da exibição é superar os clichês sobre o Brasil, mostrando que o país é mais que futebol, samba e carnaval.

A exposição Estritamente confidencial! foi organizada pela Sociedade Brasil-Alemanha, que completa 50 anos em 2010, com o apoio do Governo do Estado da Baviera e da Fundação Karl Graf Spreti. Ela pode ser vista até 30 de setembro de 2010.

Autora: Luisa Frey
Revisão: Roselaine Wandscheer