terça-feira, 31 de julho de 2012

BICENTENÁRIO DE NASCIMENTO DA IMPERATRIZ DONA AMÉLIA DO BRASIL

Mais um excelente artigo publicado no site monarquista http://imperiobrasileiro-rs.blogspot.com.br


1812 - 2012
A Imperatriz Dona Amélia na juventude


Nascida Princesa Amélia Augusta Eugênia Napoleona de Beauharnais em Milão, à 31 de julho de 1812, Princesa de Leuchtenberg, era a quarta filha do General Augusto Beauharnais e da Princesa Augusta da Baviera. Seu pai era filho adotivo de Napoleão Bonaparte e Vice-Rei da Itália, e sua mãe era filha do Rei Maximiliano I José da Baviera e da Rainha Augusta, nascida Princesa de Hesse-Darmstadt. Embora tivesse uma configuração familiar diferenciada, haja vista seu parentesco próximo com Napoleão e a repulsa de todos por este, Dona Amélia possuía em seu sangue as mais caras tradições, descendendo de grandes Famílias Reais e Principescas. Hoje, 31 de julho de 2012, portanto, comemora-se seu bicentenário de nascimento. 

Em 1826, tendo falecido a Imperatriz Dona Leopoldina, Dom Pedro I achou por bem casar-se novamente e incumbiu o Marquês de Barbacena para que buscasse esposa a altura nos Reinos da Europa, observando nascimento, beleza, virtude e cultura. A Princesa Amélia de Leuchtenberg era reconhecida por todos estes requisitos, além da refinada educação e dos mais belos modos. O jornal London Times, a época do casamento, publicou que ela era umas das Princesas mais bem educadas e preparadas da Alemanha. 

O casamento foi arranjado. A convenção matrimonial foi assinada na Inglaterra em 30 de maio de 1829, ratificada em 30 de junho, em Munique. Em 30 de julho daquele ano, foi confirmado, no Brasil, o tratado do casamento de Sua Majestade com a Princesa Amélia de Leuchtenberg. Ao confirmar-se o casamento, Dom Pedro I instituiu a Ordem da Rosa, cujo lema é "Amor e Fidelidade". A cerimônia do casamento foi realizada por procuração em Munique, na capela do Palácio de Leuchtenberg, a 2 de agosto daquele ano. Dom Pedro I havia enviado a sua representação legal em Munique, uma considerável quantia para que se fizesse um casamento que condissesse com a situação dos noivos, porem Dona Amélia insistiu em doar a um orfanato de Munique a apreciável quantia enviada por Dom Pedro I, fazendo-se uma cerimônia simples.  Durante sua viagem ao Brasil, trazendo uma comitiva, Dona Amélia incumbiu aos presentes que lhe instruíssem sobre o novo país, o marido, a língua portuguesa, os costumes e tradições brasileiras.  

Dona Amélia chegou a Brasil em 15 de outubro de 1829, na fragata Imperatriz, vinda da Bélgica e que trazia também a Princesa Dona Maria da Glória vinda da Inglaterra, por motivos de segurança, pois seu tio, Dom Miguel havia lhe usurpado o Trono de Portugal. Ainda no dia de sua chegada ao Rio de Janeiro, Dona Amélia recebeu a bordo além do marido, os filhos do primeiro casamento deste, a quem recebeu com muito carinho e amor filial. No dia seguinte, com forte chuva, Dona Amélia fez o desembarque e foi calorosamente recebida com grande procissão, rumando para a Capela Imperial, para receberem as bênçãos nupciais. A delicadeza de modos e educação da noiva deixou a todos com muito boas impressões. Dona Amélia compareceu aquelas cerimônias com um fino vestido branco e um manto bordado em prata que lhe serviam para reforçar sua beleza. Seguindo a celebrações religiosas, houve uma cerimônia pública e todos foram convidados a se servirem no grande banquete de Estado. Somente em janeiro de 1830 o Imperado r ofereceu um grande baile para apresentação oficial da Imperatriz à Corte. Depois do baile o casal passou cerca de um mês em lua de mel na Fazenda do Padre Correa, na antiga Serra da Estela, onde então seria, alguns anos mais tarde, erguida a cidade de Petrópolis.  

Os anos que se seguiram no Brasil, pouco mais de 2, foram de intenso trabalho para a Imperatriz. Dona Leopoldina havia falecido e o palácio se encontrava sobre as ordens das damas da Corte, não possuindo o brilho e a pompa de antes. Os pequenos Príncipes estavam sendo educados sem a vigilância de seus pais, haja vista as funções do pai como Imperador do Brasil. Dona Amélia foi responsável por modernizar, trazer a pompa e a circunstância próprias a um Palácio Imperial à Quinta da Boa Vista. Quanto as crianças, Dona Amélia as tratou como verdadeira mãe, cumprindo seu valoroso papel, cuidando pessoalmente da educação das Princesas. O ambiente familiar voltou a Quinta.  

Em 1831, Dom Pedro I abdicou o Trono em favor de seu filho, o futuro Imperador Dom Pedro II, ocasião em que a Imperatriz, tendo que deixar o pequeno Dom Pedro no Barsil, suplicou as mães brasileiras: "Mães brasileiras, vós que sois meigas e carinhosas para com vossos filhinhos, supri minhas vezes: adotai o órfão coroado, dai-lhe, todas vós, um lugar na vossa família e no vosso coração. Entregando-o a vós, sinto minhas lágrimas correrem com menor amargura". A Imperatriz Dona Amélia seguiu com o marido para a Europa, onde este empreendeu uma guerra civil contra o usurpador Dom Miguel. Em Paris Dona Amélia deu a luz a Princesa Dona Maria Amélia e, ali fixando residência, educou a Princesa Dona Maria da Glória até que fosse coroada Rainha de Portugal, bem como a filha reconhecida de Dom Pedro I, Dona Isabel Maria, Duquesa de Goiás, a que também teve a incumbência de educar, casando-a com um nobre alemão.  

Vencido o usurpador Dom Miguel, Dona Maria da Gloria foi reconhecida como legítima Rainha de Portugal e Dom Pedro I – na ocasião - Duque de Bragança, acompanhado da Família, foi viver em Portugal, primeiramente na Quinta do Ramalhão e depois no Palácio Real de Queluz, onde então Dom Pedro I faleceu de tuberculose a 24 de setembro de 1834.  

De 1834 em diante, ou seja, até a data de sua morte, Dona Amélia dedicou-se a caridade e as orações. Parte de seu tempo era tomado pela educação da filha Dona Maria Amélia. Dona Amélia passou a requisitar por parte do governo brasileiro a pertença de sua filha a Família Imperial do Brasil, sendo reconhecida como tal em 1841, na maioridade do Imperador Dom Pedro II. Privada das liberdades outrora abundantes, bem como das felicidades que se tinha com o marido, o destino se encarregou a 4 de fevereiro de 1853 de lhe levar seu maior bem, a filha Dona Maria Amélia. Morta nas mesmas condições do pai, era desfecho que uma longa luta que a levou para ao Funchal, onde permaneceram por considerável tempo, na busca pelo tratamento, porem nada adiantou. Dona Maria Amélia, então com 22 anos de idade estava se encaminhando para um casamento com o futuro Imperador do México Maximiliano, que a ela devotava grande amor e que jamais a esqueceria. No Funchal, Dona Amélia, em memória de sua filha, fundou um hospital para o tratamento de pessoas tuberculosas na Ilha da Madeira, "o Hospício Princesa Dona Maria Amélia", mantido até os dias de hoje com recursos de descendentes de sua Família, no caso atual, da Família Real da Suécia, descendente de sua irmã, a quem deixou em testamento esta incumbência.  

De volta a Lisboa, morando então no Palácio das Janelas Verdes, faleceu em 26 de janeiro de 1876, deixando expressamente em seu testamento a vontade de que retornasse ao Brasil todos os documentos e objetos referentes ao país. Ao Príncipe Maximiliano, deixou uma propriedade na Baviera e à sua irmã, a Rainha da Bélgica, responsável por manter vivas as suas obras de caridade, deixou joias, dinheiro e a Tiara Bragança.  

Dona Amélia foi sepultada em São Vicente de Fora, de onde foi transladada para o Brasil em 1982, estando atualmente sepultada na Capela Imperial do Monumento a Independência, em São Paulo. 

Em 31 de julho de 2012, celebra-se o bicentenário de nascimento da Imperatriz Dona Amélia, esta grande Dama que em pouco tempo foi responsável por orientar a educação de nosso futuro Imperador Dom Pedro II, influenciando nos destinos do país nos longos anos de reinando deu filho postiço. Foi Dona Amélia uma grande mulher de seu tempo. Forte em sua personalidade, piedosa, amorosa e caridosa. Em sua vida, marcada pelas tristezas, não se pode lembrar da amargura e do rancor.  

Sobre Dona Amélia, Dom José Palmeiro Mendes, Abade Emérito do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, em sua homilia, no dia 17 de outubro de 2009, em missa na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé Catedral, antiga Capela Imperial, onde foi oficiado o casamento da Imperatriz com o Imperador, e onde este religioso celebrava a missa de ação de graças pelos 180 anos deste casamento, afirmou: "Sobre Dona Amélia, tem que se reconhecer que humanamente ela levou uma vida de muitos sofrimentos. Com 11 anos perdeu o pai; imperatriz do Brasil por ocasião do casamento, perde este título com a abdicação do marido três anos depois; passa um largo tempo exilada e longe do marido, só indo com ele encontrar-se em 1833. No ano seguinte perde o esposo amado (viúva com apenas 22 anos) e poucos meses depois o irmão, o príncipe Augusto, que tinha casado com D. Maria II. Verifica-se um estremecimento de relações com a enteada rainha. Vive para a filha Maria Amélia, princesa belíssima e prendada, mas de 1850 a 1853 acompanha a lenta e implacável doença da filha, que morre com edificante piedade cristã na ilha da Madeira com apenas 21 anos. No mesmo ano morre D. Maria II. Fica Dona Amélia muito ligada ao neto, o rei D. Pedro V e sua esposa D. Estefânia, mas ambos tem morte prematura. Sua profunda fé cristã porém sempre a acompanhou. Dedicava-se muito a obras de caridade. Viveu retirada no chamado Paço das Janelas Verdes, em Lisboa, que tinha mais de convento religioso do que de palácio real. Ali vai receber a visita do conde d´Eu a caminho do Brasil, onde casará com a Princesa Imperial; ali depois recebeu a neta Dona Isabel em viagem de núpcias e enfim, em 1871 o filho Dom Pedro II, com quem sempre se correspondia. Cercada de meia dúzia de incansáveis amigos, ali morre no início de 1873. Será sepultada no Panteon da Casa de Bragança na Igreja de São Vicente de Fora, ao lado de D. Pedro I. Desde 1982 seus restos repousam no Brasil, no Monumento do Ipiranga, em S. Paulo, junto aos de D. Pedro I e de D. Leopoldina."   

No dia 31 de julho de 2012, serão oferecidos jantares em comemoração ao bicentenário da Imperatriz Dona Amélia. Em São Paulo o jantar ocorrerá ás 19h45 no Restaurante Monet, à Rua Fradique Coutinho, 37 – Pinheiros. No Rio de Janeiro, o evento será realizado  às 19h30min no Restaurante Siqueira Grill, à  Rua Siqueira Campos, 16-b, Copacabana, ocasião em que o Professor Otto de Alencar de Sá Pereira dará palestra como o título "Dona Amélia, a Imperatriz da Rosa".

A Imperatriz Dona Amélia em idade avançada - 1861

Nenhum comentário: