terça-feira, 3 de setembro de 2013

Porque não apoiar a criação de um partido monarquista (no anexo)

PORQUE NÃO APOIAR A CRIAÇÃO DE UM PARTIDO MONARQUISTA


A monarquia é necessariamente suprapartidária. Deve se sobrepor ao embate político. O monarca é o símbolo vivo da nação, que abarca todos os súditos, e a encarnação das virtudes de seu povo. Assim foi D. Pedro II.

Veja-se o exitoso caso da Inglaterra em que encontramos o "governo de S. Majestade" e a "leal oposição de S. Majestade". Todos fazem questão de se identificar com o soberano na condução do bem comum.

O Brasil não é diferente. No plebiscito de 1993, apesar do evidente boicote à propaganda da monarquia, 13% dos votos válidos, independentemente de sua orientação partidária, foram pela sua restauração.

Embora o Imperador possa e, em alguns casos, até deva se posicionar sobre  questões políticas e sociais mais importantes para o seu povo, seus pronunciamentos sempre pairam acima da contenda partidária. Disse Armando Alexandre dos Santos em seu livro PARLAMENTARISMO, SIM! Mas à brasileira: com Monarquia e com Poder Moderador eficaz e paternal:

"Repetidas vezes, em conferências públicas ou em entrevistas concedidas à imprensa nacional ou estrangeira, o Príncipe D. Luiz, como também seu irmão o Príncipe Imperial D. Bertrand, têm esclarecido que a fidelidade aos princípios tradicionais católicos que lhes foram transmitidos por seu pai não impedirão o exercício das funções de um monarca constitucional parlamentar.

"– Não é impróprio à condição de monarca ter uma ideologia definida e conhecida de todos? Isso, pergunta-se ainda uma vez, não lhe retira algo da imparcialidade que precisa ter?

"Compreende-se que o Imperador deva necessariamente ser apartidário, não se envolvendo nas pugnas eleitorais dos partidos. Compreende-se que ele deva necessariamente se ater aos limites de atuação que lhe fixou a Constituição, jamais permitindo que suas próprias preferências ideológicas o levem a tomar atitudes contrárias ao juramento sagrado de respeito à Constituição que formulou ao assumir a Coroa. Mas isso não significa que ele não deva ter idéias, ou que deva manter secretas as idéias que tenha. ...

"Querer um Imperador sem ideologia é querer um Imperador sem pensamento. Ora, está na essência do regime democrático que todos os cidadãos tenham pensamento formado, para poderem votar e, assim, influírem na condução da coisa pública. Desejar um Imperador a-ideológico é desejá-lo sem pensamento, é querer na chefia do Estado um inepto, de capacidade cívica inferior à do comum dos brasileiros... Como conceber uma coisa dessas?

"'Um Imperadorescreveu com todo o propósito um veterano monarquistanão deve ser um monarca amorfo, um boneco de cera, que só sirva de testa de ferro para que certos políticos pratiquem toda espécie de imoralidade, de corrupção, de desonestidade, expondo o país à falência moral, social, política e econômica'."

O Chefe da Casa Imperial do Brasil, Príncipe D. Luiz de Orleans e Bragança, sempre considerou inoportuna a criação de um partido monarquista, pois não só dividiria os eleitores mas até poderia isolar os monarquistas inibindo que políticos de outros partidos defendam a forma monárquica de governo. Por outro lado, a disputa eleitoral poderia significar um rebaixamento da esfera de atuação dos monarquistas, ao disputar cargos eletivos destinados muitas vezes a meras atividades administrativas.

Na verdade, observa-se num contexto superior que a pátria brasileira está sendo vítima de uma Revolução Cultural que solapa a família e nossas maiores instituições. A monarquia, em sentido oposto, mais do que a conquista do poder, visa restaurar a ordem na sociedade civil.

No momento em que o Brasil profundo se tem manifestado repudiando o atual caos político partidário, os políticos se retraíram e, em alguns casos, quando tentaram se aproveitar dos protestos para fazer uma "onda vermelha", suas bandeiras foram queimadas e foram rechaçados.

E aí está a grande esperança. Há sobretudo na juventude uma crescente ala de brasileiros que vêem na Monarquia um regime que vai ao encontro de suas mais autênticas aspirações e assumem as bandeiras dos valores perenes da ordem natural. Essa é a Política com "P" maiúsculo na qual se vêm engajando, visando a solução dos problemas que assolam nosso país com a restauração do Trono, na linha da legitimidade dinástica.

Este é o pensamento da Casa Imperial do Brasil, por diversas vezes expendido pelo seu Chefe, D. Luiz de Orleans e Bragança e sempre fielmente compartilhado por seus sucessores dinastas, D. Bertrand, D. Antonio e D. Rafael.

São Paulo, 3 de setembro de 2013

Pró Monarquia        

José Guilherme Beccari

Presidente do Conselho de Administração