domingo, 16 de abril de 2017

Feliz e Santa Páscoa

A todos os amigos, colaboradores, leitores e patrocinadores desejamos Feliz e Santa Páscoa com bênçãos de Cristo Ressuscitado! A Fé vence as trevas da ignorância e do pecado revelando a verdade e o bem. Que as bênçãos de Maria Santíssima estejam com todos vocês! 



--
Jornalista Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil - Capital das Nascentes




Enviado com Mailtrack

terça-feira, 28 de março de 2017

O Império do Brasil e a futura Capital das Nascentes

​​O Império do Brasil (1822 a 1889) unificou as fronteiras, deu identidade à nação e iniciou uma fase de grande crescimento e progresso do povo brasileiro.

Bem no centro da atenção imperial em terras catarinenses estava a Colônia Militar Santa Thereza, criada pelo decreto nº 1266 de 8 de Novembro de 1853. Outra colônia militar, também denominada Santa Thereza e  cuja criação serviu de modelo para a nossa,  hoje é a grande cidade de Imperatriz no Maranhão. A disposição de colônias militares em pontos estratégicos do território brasileiro teve por objetivo proteger moradores, tropas e o livre acesso entre as províncias.

Nem Dom Pedro II e nem mesmo Luís Alves de Lima e Silva, futuro Duque de Caxias (responsável direto pela criação da Colônia, enquanto Ministro da Guerra) estiveram em Alfredo Wagner, porém, sua atenção e cuidados com este pedacinho do império eram grandes.

Consta que a Imperatriz Dona Tereza Cristina enviou objetos sacros para a Capela dedicada a Santa Tereza, fato que até o momento não consegui identificar sua fonte histórica. Porém, a história oral também é fonte de fatos e informações e tem seu valor.

A história deste período é rica e variada e pode ser pesquisada em documentos oficiais do Império e notícias em jornais. O Império do Brasil tinha uma política muito transparente e todas as suas resoluções eram publicadas em jornais cotidianos da capital federal (o Rio de Janeiro) ou nas capitais das províncias. Através destas publicações pode-se ter um relatório do dia-a-dia da vida oficial do Império.

A Colônia Militar Santa Thereza (hoje Catuira) frequentemente entrava nos noticiários devido a importância de sua posição estratégica entre a Capital do Estado, Nossa Senhora do Desterro, e a cidade mais importante (naquele momento) do interior catarinense, a Villa de Nossa Senhora dos Prazeres, hoje Lages.

Através de noticias publicadas em jornais como "A Regeneração", "A Verdade", "O Conservador", "O Despertador", etc, é possível acompanhar o desenvolvimento da colônia militar. Pouco a pouco ela vai crescendo em importância e população, forçando mesmo a abertura da futura BR 282, para que sua produção pudesse ser comercializada na capital do Estado.

No período de 1870 a 1879 encontramos 161 ocorrências em 7 jornais e 21.978 páginas para o termo Colônia Militar Santa Thereza. Eis um exemplo interessante:

À directoria geral da fazenda provincial, n. 289 – À Ramires Jose Ferreira, colono da colonia militar de Santa Thereza, mande, vmc. pagar a quantia de 16$000 rs. constante da inclusa guia, devida pela conducção da mala do correio entre esta capital e a cidade de Lages, no corrente mez.

São muitas as informações que podemos obter sobre a Colônia Militar Santa Thereza nos documentos e jornais do período imperial.

O Império caminhava passo-a-passo, e nossa Colônia o acompanhava, em direção ao progresso institucional, econômico e material que o golpe militar de 1889 interrompeu drasticamente.

A Colônia Militar Santa Thereza, por ser instituída oficialmente como um local do Exército Brasileiro, recebia subvenção do Estado, os soldados-colonos recebiam pagamento mensal e terras para cultivar, cuja propriedade eram passadas a seus nomes após um certo período de tempo. Muitas notícias nos informam que o Governo enviava também para as colônias militares (incluindo a futura Catuíra) sementes e mudas para o plantio.

O ponto onde foi fundada era estratégico: quem vinha pelas Demoras (um dos trajetos mais usados) descia cerca de 300 metros até o vale do Rio Itajaí do Sul e quando se dirigia para Lages, seguindo o Barro Branco ou em direção ao Campinho, subindo outros 300 m. A instalação da colônia neste vale, afastou o risco de ataques indígenas para caravanas e tropas.

O sucesso da Colônia Militar Santa Thereza era tanto que foi apresentada em livro publicado especialmente para a participação do Brasil na Exposição Universal de Filadélfia, nos Estados Unidos, com descrição de sua produção, localização, aspectos físicos etc.

Como historiador e pesquisador da história de Alfredo Wagner, após ler centenas de jornais da época, chego a conclusão que a proclamação da República não foi apenas péssima para o Brasil, foi também péssima para o Estado de Santa Catarina e para a futura Capital das Nascentes.

A implantação da República foi traumática em todo país e principalmente aqui em Santa Catarina. A fortaleza de Anhatomirim  foi testemunha do fuzilamento de 185 presos-políticos monarquistas, assassinados por ordem do republicano  Floriano Peixoto pelo coronel António Moreira Cesar.

O município de São José (a que pertencia a Colônia Militar Santa Thereza) e cuja liderança monarquista fora toda assassinada em Anhatomirim, foi desmembrado e dividido, ficando reduzido a um pequeno pedaço a beira-mar. A Colônia Militar foi extinta poucos anos depois e a localidade renomeada para Catuíra, passando a pertencer ao município de Bom Retiro.

Pouco depois, a estrada Desterro/Lages foi desviada para caminhos "melhores", levando a antiga colônia ao abandono e marasmo.

Nossos índios também foram muito prejudicados e perseguidos nesse período de implantação da República. Durante o Império havia uma relação de amizade, vigilância e cuidado, nunca de ataque e perseguição, mas de defesa e manutenção da ordem, apesar de muitos fugitivos e desertores se aliarem aos índios e os instigarem contra os colonos.

A República trouxe a perseguição sangrenta contra os índios através de um de seus descendentes diretos: Martinho Bugreiro, ele mesmo bugre e desejando vingar seus familiares mortos pelos índios. Natural da nossa região, Martinho Bugreiro representou, para os índios, o que Floriano Peixoto representou para os monarquistas catarinenses: a morte inexorável.

Apesar do grande fluxo de tropeiros indo e vindo com tropas e mercadorias, a República, transformou a futura Capital das Nascentes em mera passagem, cuja vocação era atender bem os visitantes, e lhe deu um nome dos mais comuns para a região: Barracão. Uma pesquisa em jornais da época aponta a denominação para centenas de localidades na região litorânea e serrana de Santa Catarina.

Fundada e povoada por gente da têmpera dos bandeirantes, os colonizadores que ocuparam Alfredo Wagner, souberam se adaptar mais uma vez e marcar a história desta porção do Estado por sua acolhida e gastronomia.

Pouco a pouco o povo alfredense vai recuperando seu lugar na história, se afirmando enquanto acolhedor e empreendedor e vai definindo sua característica: receber bem os visitantes.


--
Jornalista Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil - Capital das Nascentes




Enviado com Mailtrack

terça-feira, 21 de março de 2017

Dom Bertrand em São Vicente

Príncipe Imperial do Brasil visitou São Vicente nesta segunda-feira

Dom Bertrand teve um encontro com autoridades e fez uma palestra na cidade. 
Dom Bertrand de Orleans e Bragança é bisneto da Princesa Isabel.

Principe Dom Bertrand de Orleans e Bragança (Foto: Divulgação/Prefeitura de São Vicente )Principe Dom Bertrand de Orleans e Bragança
(Foto: Divulgação/Prefeitura de São Vicente )

O Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança, esteve em São Vicente, no litoral de São Paulo, nesta segunda-feira (20). O Príncipe se encontrou com o prefeito Pedro Gouvêa, autoridades da região, fez a abertura de uma exposição e uma palestra no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (IHGSV).

Segundo a Prefeitura de São Vicente, o príncipe visitou o prefeito Pedro Gouvêa, no Paço Municipal. O vice-governador Márcio França e demais autoridades também estiveram presentes.

O Príncipe também inaurugou placa alusiva à visita no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente (IHGSV). Na sequência, abriu a exposição "Clássicos no Museu II", com obras de grandes pintores brasileiros e estrangeiros. Paralela à exposição acontece a mostra de armas medievais da Empresa Ibéria, a mais antiga e tradicional fábrica do gênero, cuja sede fica em São Vicente.

No IHGSV, por volta das 19h, Dom Bertrand ministrou a palestra "Brasil, passado glorioso e futuro promissor". O evento foi organizado em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, em comemoração aos 52 anos dos títulos "Cidade Monumento da História Pátria" e "Cellula Mater da Nacionalidade", conferidos ao município.

Dom Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil e bisneto da Princesa Isabel e Gastão de Orleáns, é o segundo na linha sucessória ao trono do Brasil. Na linha sucessória, é o atual príncipe imperial do Brasil pelo Ramo de Vassouras desde 5 de julho de 1981, quando seu irmão mais velho, Luís Gastão, que não tem filhos, assumiu o posto de Chefe da Casa Imperial Brasileira, herdado do pai.


--
Jornalista Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil - Capital das Nascentes




Enviado com Mailtrack

quarta-feira, 15 de março de 2017

Príncipe Imperial visita Orleans

Um príncipe realiza o sonho de conhecer a região

D. Bertrand, um dos herdeiros do trono do Brasil, esteve com o prefeito Jorge Koch

Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus

ÉDIO ANTÔNIO / DIVULGAÇÃO

Em 15 de novembro de 1889, rebeldes liderados pelo marechal Deodoro da Fonseca derrubavam do trono o imperador D. Pedro 2º e ali encerravam a Monarquia no Brasil, instaurando a República. Os herdeiros de D. Pedro, porém, mantiveram a Casa Imperial ativa, com a sucessão respeitada sob o sonho de, um dia, restaurar o regime monárquico.

Atualmente, o trineto de D. Pedro, D. Luiz de Orleans e Bragança, é o imperador de jure. Seria o comandante da Nação caso o trono estivesse mantido. Seu irmão e segundo na linha sucessória, o príncipe D. Bertrand de Orleans e Bragança, visitou o prefeito de Orleans, Jorge Koch, ontem à tarde. Em recente entrevista à Rádio Eldorado, em novembro de 2016, Bertrand já havia manifestado a intenção de conhecer a região.

"O encontro foi muito interessante, falamos sobre educação e cultura. E relembramos passagens históricas de Orleans", comentou o prefeito, após audiência com o príncipe D. Bertrand esteve acompanhado dos professores Celso de Oiveira Souza e Edna Rampinelli mais membros do Instituto Histórico e Geográfico das Terras dos Condes das Encostas da Serra Geral.

Visitar a região, um antigo sonho

"Já estive em Laguna e Torres", lembrou D. Bertrand, citando os lugares mais próximos da região de Criciúma onde havia estado. "Gostaria de conhecer Orleans, pelos vínculos que a família real já teve aí", recordou. Desejo realizado. As terras que hoje formam o torrão orleanense serviram de dote do imperador D. Pedro à sua filha, princesa Isabel - bisavó de D. Bertrand -, quando do casamento dela com o Conde d´Eu, de tradicional família francesa.

A construção da Ferrovia Tereza Cristina, ligando Orleans e Lauro Müller até Imbituba para deslocar carvão, foi a primeira grande obra do Império na região, batizada com o nome da mãe da princesa, a imperatriz do Brasil. Em dezembro de 1884 o Conde d´Eu vistoriou a futura cidade, e incentivou o planejamento das ruas do núcleo urbano. E teria dito, na visita: "Aqui nasce a sede da parte meridional da colônia Grão Pará e terá o nome de Orleans em homenagem à minha família na França".

Críticas fortes à República

Na aludida entrevista à Rádio Eldorado, por ocasião dos 127 anos da Proclamação da República, citada pelos monarquistas como "golpe militar", o príncipe faz duras críticas ao regime vigente. "A República provou, com roubos, golpes, instabilidade e corrupção que é da Monarquia que o Brasil depende", afirmou. "Os príncipes existem para servir à Nação, e é para isso que fomos ensinados desde que nascemos", contou.

Escandalizada pelos episódios de corrupção, a família real tem no príncipe D. Luiz, herdeiro da coroa, a referência mencionada pelo príncipe e irmão. "Em um reinado, por exemplo, de meu irmão Dom Luiz, não haveria corrupção por uma simples razão: rei não rouba, e não deixa roubar".

Clique aqui e ouça a entrevista do príncipe D. Bertrand.

Aqui, confira um documentário da TV Alesc sobre a participação dos Orleans e Bragança na fundação do município de Orleans.


--
Jornalista Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil - Capital das Nascentes




Enviado com Mailtrack

Quero o Império de Volta

 ​Pró Monarquia

QUERO MEU IMPÉRIO DE VOLTA

Quero meu Brasil como primeira economia do mundo, como caminhava rapidamente para ser no Império. Quero a média do crescimento econômico em 8,81% ao ano, como no Império. Quero poucos e baixos impostos, como no Império. Quero a média da inflação em 1,08% ao ano (ou 0,09% ao mês), como no Império. Quero a moeda brasileira com o mesmo valor do dólar e da libra esterlina, como no Império.

Quero o Brasil como o maior construtor de navios e estradas de ferro do mundo, como no Império. Quero que a média nacional do salário de policiais e professores do Ensino Fundamental equivalha a R$ 8.958,00, como no Império. Quero que a imprensa seja totalmente livre, como no Império.

Quero um Monarca que tire do próprio bolso o dinheiro para custear suas viagens, como no Império. Quero um Monarca que doe 50% de sua dotação anual para instituições de caridade e incentivos à educação, como no Império. Quero um Monarca que tenha 90% de aprovação, como no Império.

Quero um Monarca com o prestígio internacional do Imperador Dom Pedro II, que, só na Filadélfia (EUA), recebeu 4 mil votos espontâneos nas eleições presidenciais de 1876. Quero um Monarca que, numa época em que não se falava em ecologia ou desmatamento, endividou-se para comprar e reflorestar áreas degradadas, como o atual Parque Nacional da Tijuca.

ENFIM, QUERO MEU BRASIL GRANDE NOVAMENTE!


--
Jornalista Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil - Capital das Nascentes




Enviado com Mailtrack

segunda-feira, 13 de março de 2017

Fwd: Conferência do Dr. Adolpho Lindenberg, dia 16/3: "A Utopia Igualitária, Aviltamento da Dignidade Humana"

Prezado(a) monarquista

Uma e outra vez tenho repassado convites para as conferências que o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira oportunamente promove na capital paulista, sempre sobre matérias de conteúdo e atualidade, versadas por qualificados expositores.
 
Em poucas ocasiões entretanto o fiz com tanta satisfação quanto agora. O Dr. Adolpho Lindenberg, Presidente do IPCO, dispensa apresentações por sua destacada posição no empresariado paulista, a reinvidicação de parâmetros cristãos para a economia de mercado e a a vitoriosa reintrodução do estilo clássico na arquitetura residencial.
 
A ele me ligam mais de cinco décadas de identificação de ideais e o seu constante devotamento à Família Imperial.
 
O tema do igualitarismo, a ser versado por Dr. Adolpho, vai-se fazendo cada vez mais central no debate ideológico.
 
Recomendo pois vivamente o comparecimento dos monarquistas a essa conferência, na próxima quinta-feira.
 
Cordialmente,
 
Dom Bertrand de Orleans e Bragança
 


A manifestação de superioridade de um homem em relação a outro é sempre chocante, ofensiva, revoltante? A superioridade gera necessariamente uma opressão do superior sobre o inferior, como afirmam os marxistas? A libertação desse jugo não requer a eliminação progressiva de todas as superioridades?

Os contrastes entre os muito ricos e os muito pobres não são de molde a nos afrontar e despertar vontade de alterar o atual establishment? Não somos todos filhos de Deus, não partilhamos da mesma natureza, não temos os mesmos direitos? Deus, que é Pai e é bom, amando todos os seus filhos, pode aprovar a existência de desigualdades de classes, de fortuna, de saúde, e tantas outras? O aforismo segundo o qual se dois seres forem totalmente iguais um deles é supérfluo, é verdadeiro ou falso?

Tais perguntas, que ouvimos com frequência, indicam o quanto a utopia igualitária influencia a mentalidade do homem moderno.

Essas e outras questões o Dr. Adolpho Lindenberg enfrentará na próxima conferência, no Club Homs, sustentando que e ditadura do igualitarismo constitui um violento atentado contra a liberdade e a própria dignidade da pessoa humana.

 
Data: 16 de março de 2017, quinta-feira
Horário: 19 horas
Local: Clube Homs (Av. Paulista, 735)


Enviado com Mailtrack

domingo, 29 de janeiro de 2017

8ª GALA DO JANTAR DE REIS EM GUIMARÃES

DOMINGO, 29 DE JANEIRO DE 2017

PAÇOS DOS DUQUES DE BRAGANÇA ACOLHE 8ª GALA DO JANTAR DE REIS


A 8ª edição do Jantar de Reis, agendada para o próximo dia 4 de Fevereiro, vai realizar-se no Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães. Como já é tradição deste evento vai estar presente Dom Duarte, Duque de Bragança, Chefe da Casa Real Portuguesa.
Sob o Alto Patrocínio da Casa Real Portuguesa, Casa Real do Ruanda, Casa Real do Havai e Casa Real do Egipto, esta iniciativa assenta numa vontade transversal a muitos actores locais, movimentos e associações monárquicas, bem como a individualidades com relevância política e social na região.
Estará presente também a presença de Sua Majestade o Rei Yuhi VI do Ruanda, a Princesa Owana Salazar, Chefe da Casa Real do Havai, e o Príncipe Osman Rifat Hibrahim da Casa Real Egípcia.
O jantar e espectáculo será novamente apresentado pelo Mestre de Cerimónias Carlos Evaristo, Produtor e conhecido Comentador da RTP, History Channel, National Geographic Channel, entre outros e a animação ficará a cargo do consagrado Cantor "Clemente" e da "Princesa Owana Salazar", várias vezes vencedora do Grammy Award.
A anteceder o Programa deste ano em Guimarães, há todo um programa complementar para recepção e peregrinação dos Chefes das Casas Reais, a Santarém, Fátima, Ourém e Braga.  Haverá ainda no dia 4 a inauguração de uma exposição, patente nos Claustros do Paço dos Duques de Bragança, do escultor Dinis Ribeiro.
As Receitas destes eventos este ano revertem a favor do Projecto "Meninos de Bissauzinho" na Guiné-Bissau, sendo que todos os donativos extraordinários no valor mínimo de 100 Euros recebidos para esta causa humanitária, terão um reconhecimento especial com a concessão de um Diploma e uma Medalha de Benfeitor.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Fwd: A ficha corrida da República

Texto compartilhado por Leonardo Genovese em nossa página no Facebook: Monarquia Já.
O estrago causado pela República foi grande e só será revertido pela volta da forma de governo Monárquica.

"Ficha Corrida da república...

*6 CONSTITUIÇÕES FEDERAIS*
1891, 1934, 1937, 1946, 1967, 1988

*9 MOEDAS*
Reis: até 1941, Cruzeiro: 1942, Cruzeiro, Novo: 1967, Cruzeiro: 1970, Cruzado: 1986, Cruzado Novo: 1989, Cruzeiro: 1990, Cruzeiro Real: 1993, Real: 1994

*5 VEZES CONGRESSO FECHADO*
1930 ~ 34, 1937 ~ 46, 1966, 1968 ~ 69, 1977

*6 GOLPES DE ESTADO*
1889 , 1930 ~ 34, 1937 ~ 45, 1945, 1955, 1985

*INTERVENÇÃO* 
1964 ~ 85

*1 PLEBISCITO IGNORADO*
Venda de armas: 2005

*13 PRESIDENTES QUE NÃO CONCLUÍRAM O MANDATO*
Deodoro: 1891
Afonso Penha: 1909
Rodrigues Alves: 1918
Washington Luís: 1930
Júlio Prestes: 1930
Vargas: 1945 e 1954
Carlos Luz: 1955
Jânio Quadros: 1961
João Goulart: 1964
Costa e Silva: 1969
Tancredo Neves: 1985
Collor: 1992
Dilma: 2016

*31 PRESIDENTES NÃO ELEITOS DIRETAMENTE (também considerando posse de interinos)*
Deodoro: 1889*
Floriano Peixoto: 1891*
Prudente: 1894*
Campos Sales: 1898*
Rodrigues Alves: 1902*
Afonso Penha: 1906*
Nilo Peçanha: 1909*
Fonseca: 1910*
Venceslau: 1914*
Rodrigues Alves: 1918*
Delfim Moreira: 1918*
Epitácio: 1919*
Arthur: 1922*
Washington Luis: 1926*
Júlio Prestes: 1930*
Vargas: 1930
José Linhares: 1945
Café Filho: 1954
Carlos Luz: 1955
Nereu Ramos: 1955
Ranieri Mazilli: 1961
João Goulart: 1961
Castelo Branco: 1964
Costa e Silva: 1967
Médici: 1969
Geisel: 1974
Figueiredo: 1979
Tancredo Neves: 1985
José Sarney: 1985
Itamar Franco: 1992
Michel Temer: 2016

*Coisas que surgiram com a ré-pública*

- Corrupção incontrolável
- Mentira
- Voto obrigatório
- Marxismo cultural
- Foro de São Paulo
- Decálogo de Lenin
- Pacto de Princeton
- Censura e falta de liberdade, ou seja, xingou alguém leva um processo
- Eleições fraudulentas
- Roubos
- Acordos
- Ganância
- Interesse
- Oportunismo
- Leis e PECs contra o povo independente do que o povo acha
- Ditadura disfarçada de democracia

*Presidentes do Período da República Velha marcado pelas fraudes eleitorais e o coronelismo*

*31 REVOLTAS E GUERRILHAS*
Golpe Republicano: 1889 para a DESORDEM E O REGRESSO
Primeira Revolta de Boa Vista: 1892-1894
Revolta da Armada: 1892-1894
Revolução Federalista: 1893-1895
Revolta de Canudos: 1893-1897
República de Curani: 1895-1900
Revolução Acreana: 1898-1903
Revolta da Vacina: 1904
Segunda Revolta de Boa Vista: 1907-1909
Revolta da Chibata: 1910
Guerra do Contestado: 1912-1916
Sedição de Juazeiro: 1914
Greves Operárias: 1917-1919
Levante Sertanejo: 1919-1930
Revolta dos Dezoito do Forte: 1922
Revolução Libertadora: 1923
Coluna Prestes: 1923-1925
Revolta Paulista: 1924
Revolta de Princesa: 1930
Revolução de 1930: 1930
Revolução Constitucionalista: 1932
Revolta Mineira: 1935-1936
Intentona Comunista: 1935
Caldeirão de Santa Cruz do Deserto: 1937
Revolta das Barcas: 1959
Contra-golpe Militar: 1964
Luta Armada: 1965-1972
Guerrilha de Três Passos: 1965
Guerrilha do Caparaó: 1967
Guerrilha do Araguaia: 1967-1974
Revolta dos Perdidos: 1976
Golpe das diretas já: 1985..."

Autores Surama CM e Paulo Barros.



 Enviado com Mailtrack