quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Fwd: Feliz Natal e Próspero Ano Novo.

A todos amigos que visitam esta página desejo os mais ardentes votos de um Santo e Feliz Natal e que o ano de 2014 traga a tão sonhada Restauração Monárquica!


Imagem inline 1


domingo, 22 de dezembro de 2013

Fwd: FW: Mensagem de Natal de D. Luiz

Imagem inline 1
Mensagem de Natal de
D. Luiz de Orleans e Bragança,
Chefe da Casa Imperial do Brasil

Na festa do Santo Natal há várias noções que por assim dizer se superpõem. Antes de tudo, o nascimento do Menino Deus torna patente a nossos olhos o fato da Encarnação. É a segunda Pessoa da Santíssima Trindade que assume natureza humana e se faz carne por amor de nós. Ademais, é o início da existência terrena do Senhor. Um início refulgente de claridades, que contém em si um antegosto de todos os episódios admiráveis de Sua vida pública e privada. No alto desta perspectiva está sem dúvida a Cruz. Mas, nas alegrias do Natal mal divisamos o que ela tem de sofrimento. Vemos apenas jorrar do alto dela, sobre nós, a Redenção. O Natal é assim o prenúncio da libertação, o sinal de que as portas do Céu vão ser reabertas, a graça de Deus vai novamente difundir-se sobre os homens, e a terra e o Céu constituirão outra vez uma só sociedade sob o cetro de um Deus Pai, e não mais apenas Juiz. Se analisarmos detidamente cada uma destas razões de alegria, compreenderemos o que é o júbilo do Natal, este gáudio cristão ungido de paz e de caridade que faz com que durante alguns dias todos os homens experimentem um sentimento bem raro nestes tristes dias atuais: a alegria da virtude.


Jesus Cristo nos veio mostrar que a graça abre para nós as veredas da virtude, que torna possível na Terra a verdadeira alegria, que não nasce dos excessos e das desordens do pecado, mas do equilíbrio, da bem-aventurança, da ascese. O Natal nos faz sentir a alegria de uma virtude que se tornou praticável, e que é na Terra um antegozo da bem-aventurança do Céu.


Durante todo 2013 tive a alegria de conhecer leais monarquistas que me enviaram mensagens pelo site da Casa Imperial, que me vieram visitar ou que mandaram recomendações através de meus irmãos, especialmente D. Bertrand e D. Antonio, em viagens pelo Brasil afora. Conheci assim o trabalho destes bravos conterrâneos, sua dedicação e seu desprendimento. Constatei que nossas fileiras multiplicaram-se surpreendentemente e que podemos e vamos fazer muito mais juntos, apesar do Brasil estar sofrendo inúmeros embates e a impressão de que, por toda parte, seus inimigos se agigantam. Agradeço a todos a imensa ajuda no sentido de manter intacta a Terra de Santa Cruz em sua integridade, em sua riqueza, em sua brasilidade, especialmente em sua Fé

Em meu nome e de toda Família Imperial desejo a todos um Feliz e Santo Natal, e que o Ano Novo seja abençoado com as melhores graças do Menino Jesus e de sua Santíssima Mãe.
 
                                                                                                                   Luiz de Orleans e Bragança



sábado, 21 de dezembro de 2013

Fwd: FW: Keep Calm And Carry On

Para as pessoas que não compreenderam a campanha do "Keep calm..." um pouco de história, mas antes é preciso dizer que 
qualquer campanha de marketing deverá despertar o interesse e mantê-lo com a qualidade daquilo que se está oferecendo. Portanto, está dentro dos objetivos da Pró Monarquia a campanha, porque despertou muitos monarquistas adormecidos, sobretudo os mais jovens, pois a mensagem não deixa de ser jocosa.
Para os xenófobos: Traduzir uma frase, ou parte dela, tão conhecida e aceita mundialmente seria no mínimo pouco culto e perderia totalmente o apelo inicial.
Mantenha-se calmo e siga em frente é um bom conselho, mas mantenha-se calmo e seja monarquista é para mudar o Brasil!
Os Príncipes participaram das reuniões sobre a campanha e aprovaram por ser atual, de bom gosto, alegre e com uma mensagem verdadeira. É a única solução para o Brasil!



Em 1939, a Inglaterra juntou-se às tropas aliadas para enfrentar o exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial. Nas comunicações entre o governo do Rei George VI e seu povo, a fim de acalmá-los e dar direção durante a guerra, foram imprensos três cartazes. Todos os três seguindo o rigoroso padrão inglês e sempre com a coroa do rei.

No primeiro cartaz que foi distribuído para toda a cidade, sobretudo nos locais que sofriam com bombardeios, a frase:

 

"Sua coragem, sua alegria e sua determinação vão nos trazer a vitória".

 

 

 

No segundo cartaz quando a situação estava mais perigosa:

"A liberdade está em perigo. Defenda-a com toda a sua força".
 

 
O terceiro cartaz seria utilizado caso a Inglaterra fosse invadida, algo que não ocorreu. Por isso, o cartaz nunca foi usado, mas foi encontrado um exemplar em 2000, 61 anos depois de ser impresso.
Abaixo retirado de um site a história do Keep Calm and Carry On. O cartaz estava em um sebo na costa nordeste da Inglaterra no meio de livros empoeirados. Quando o encontrou, a dona da livraria o enquadrou e o pendurou na parede do estabelecimento. O pôster fez tanto sucesso entre os clientes que os donos decidiram imprimir cópias da imagem e comercializá-las. Foi aí que a frase começou a ganhar o mundo.

Mas por que é tão difundida? Talvez pelo conselho sensato, pelo design simples, pela mensagem universal. Para o cineasta Temujin Doran, diretor do curta que narra a história do pôster, as palavras são a chave para o sucesso: "trata-se de uma voz histórica, que oferece uma mensagem simples e sincera para inspirar a população a superar tempos difíceis. É um conselho que nunca envelhece: mantenha-se calmo e siga em frente".

 

O cartaz é simples: em um fundo vermelho, uma coroa é estampada sobre a mensagem "keep calm and carry on" (em português, "mantenha-se calmo e siga em frente").

 

Abaixo onde pode ser visto a reportagem

 

www.youtube.com/watch?v=1Iw5uWk--NQ

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Fwd: Homenagem ao 188º nascimento de Dom Pedro II

Imagem inline 1

Na próxima terça-feira, dia 3 de dezembro, às 18h30, no plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, será realizada uma homenagem ao Imperador Dom Pedro II (1825-1891), marcando o 188º aniversário de seu nascimento. A homenagem será promovida pelo Círculo Monárquico do Rio de Janeiro, uma das mais antigas, célebres e respeitadas instituições Monarquistas do Brasil. Após a homenagem, será realizado um coquetel de confraternização.

O Príncipe Dom Antonio, terceiro na Linha de Sucessão ao Trono Imperial Brasileiro, acompanhado por sua augusta esposa, a Princesa Dona Christine, estará representando a Família Imperial e a venerada figura de seu irmão, o Príncipe Dom Luiz, Chefe da Casa Imperial do Brasil. 

Compartilhem, convidem seus amigos e familiares. Devemos honrar a figura do Magnânimo, o Imperador-Cidadão, que dedicou sua vida a levar o Império do Brasil à sua Era de Ouro.




--
Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil/SC - Alfredo Wagner

domingo, 24 de novembro de 2013

Fwd: FW: Convite - 100 anos da ESTATUA DE D. PEDRO II - Fortaleza-CE (02.12.2013)

  

A Prefeitura de Fortaleza,

por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Secretaria Regional do Centro,

 

o Museu do Ceará,

 

 a Academia Cearense de Letras &

 

 o Instituto Cultural D. Isabel I a Redentora

 

convidam para as cerimônias comemorativas do

 

Centenário da Estátua do Imperador D. Pedro II,

 

localizada em frente à Catedral Metropolitana de São José (Sé de Fortaleza),

 

a se realizarem na data natalícia do

 

Augusto Soberano, em 2 de dezembro de 2013, conforme segue. 

 

 

16h - Abertura

Ode a  D. Pedro II, junto à estátua.

 

17h30min - Visita guiada ao Museu do Ceará

Destaque para as peças do período imperial brasileiro (1822-1889).

 

19h - Academia Cearense de Letras

Relançamento do livro O Imperador no Exílio, do Conde de Affonso Celso.

 

 

 

IDII-Representação de Fortaleza

 www.idisabel.org.br

www.idisabel.wordpress.com


sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Fwd: Acompanhe a entrevista do idealizador do Blog Monarquia Já ao programa "Confronto Manchete"

No dia em que o golpe republicano completa 124 anos, o programa "Confronto Manchete", da Rádio Manchete AM 760, do Rio de Janeiro, promove uma interessante discussão sobre as formas de governo. O Comunicador Diego Souza, que apresenta o programa, entrevista Dionatan S. Cunha, idealizador do Blog Monarquia Já.

O programa "Confronto Manchete" será transmitido dia 15/11, das 12h05 às 13h. Os cariocas poderão ouvi-lo através da sintonia AM 760 e os expectadores dos demais Estados, podem ouvir acessando o site, através do link http://www.radiomanchete.com.br/ ou http://tunein.com/radio/R%C3%A1dio-Manchete-AM-760-s113948/.


Imagem inline 1

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Fwd: Por que a monarquia é superior à democracia

por Hans-Hermann Hoppe, quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Coroa_Camada 1.gif.jpgO sistema político que todos fomos ensinados a venerar desde cedo - seja pelas escolas cujos currículos são controlados pelo governo, seja pela mídia serviçal ao estado - é a democracia.

O que quero argumentar aqui é que a antiga forma de governo, a monarquia, não só era muito mais limitada, como também era mais pacífica, menos totalitária e mais propensa ao desenvolvimento de um país do que a democracia.

Democracia x Monarquia

O primeiro ponto a ser enfatizado é: estados - sejam eles monárquicos ou democráticos - não são empresas.  Eles não produzem nada para ser vendido no mercado, e, como tal, suas receitas não advêm da venda voluntária de bens e serviços.

Ao contrário: estados vivem da coleta de impostos, que são pagamentos coercivos coletados sob ameaça de violência.

Portanto, sendo um anarcocapitalista, não sou apologista nem da monarquia e nem da democracia.  Porém, se tiver de escolher um desses dois regimes maléficos, então é seguro dizer que a monarquia tem certas vantagens.

A razão é que os reis eram normalmente vistos pela população como aquilo que realmente eram: indivíduos privilegiados que podiam tributar seus súditos.  E como todos sabiam que não podiam se tornar reis, havia uma certa resistência dos súditos contra as tentativas dos reis de aumentar impostos e expandir a exploração.

Sob a democracia, surge a ilusão de que nós somos nossos próprios governantes, de que governamos a nós mesmos.  Entretanto, como já deveria estar mais do que claro, sob a democracia também existem soberanos e os súditos desses soberanos.  Porém, o fato de que qualquer um pode potencialmente se tornar um funcionário público é algo que, além de também ajudar a estimular a ilusão de que governamos a nós mesmos, leva a uma redução daquela resistência que havia contra os reis quando estes tentavam aumentar suas receitas tributárias - afinal, o aumento da receita do estado ser-lhe-á favorável caso você seja um dos soberanos.

Há ainda outras desvantagens da democracia. 

Na monarquia, o rei pode ser visto como uma pessoa que considera o país sua propriedade privada, e as pessoas que vivem nele são seus inquilinos, que pagam um tipo de aluguel ao rei. 

Por outro lado, consideremos os políticos eleitos sob um sistema democrático.  Estes políticos não são os proprietários do país da maneira como um rei o é; eles são meros zeladores temporários do país, por um período que pode durar quatro anos, oito ou mais.

E a função de um proprietário é bastante diferente da função de um zelador.  

Imagine duas situações distintas: na primeira, você se torna o proprietário de um imóvel.  Você pode fazer o que quiser com ele.  Você pode morar nele para sempre, você pode vendê-lo no mercado - o que significa que você tem de cuidar muito bem dele para que seu preço possa ser alto -, ou você pode determinar quem será seu herdeiro. 

Na segunda situação, o proprietário desse imóvel escolhe você para ser o zelador dele por um período de quatro anos.  Nesse caso, você não pode vendê-lo e não pode determinar quem será seu herdeiro.  Porém, você ganha um incentivo novo: extrair o máximo possível de renda desse imóvel durante o período de tempo que lhe foi concedido. 

Isso implica que, na democracia, o zelador temporário é incentivado a exaurir o valor do capital agregado do país o mais rápido possível, pois, afinal, ele não tem de arcar com os custos desse consumo de capital.  O imóvel não é dele.  Ele não tem o que perder com seu uso irrefletido.  Por outro lado, o rei, como proprietário do imóvel, tem uma perspectiva de longo prazo muito maior que a do zelador.  O rei não vai querer exaurir o valor agregado de seu imóvel o mais rapidamente possível porque isso se refletiria em um menor preço do imóvel, o que significa que sua propriedade (o país) seria legada ao seu herdeiro a um valor menor.

Portanto, o rei, por ter uma perspectiva de longo prazo muito maior, tem o interesse de preservar - ou, se possível, aumentar - o valor do país, ao passo que um político em uma democracia tem uma orientação voltada para o curto prazo e quer maximizar sua renda o mais rapidamente possível.  Ao fazer isso, ele inevitavelmente irá gerar perdas no valor do capital de todo o país.

Guerras

As guerras sob um regime monárquico tendiam a ser, como certa vez descreveu Mises, guerras exclusivamente entre soldados, ao passo que as guerras feitas por democracias envolvem o homicídio em massa de civis em uma escala jamais vista na história humana.

Essa diferença tem a ver novamente com o fato de que os monarcas consideram o país como sua propriedade.  Tipicamente, os monarcas faziam guerras para resolver disputas de propriedade.  "Quem é o dono de determinado castelo? Quem é o dono de determinada província?"  O objetivo de uma guerra monárquica sempre era limitado e específico. 

Já as guerras feitas por democracias tendem a ser guerras ideológicas. Ora quer-se liberar um país de alguma ditadura, ora quer-se converter um país a uma determinada ideologia.  E é difícil determinar quando tal objetivo foi de fato atingido.  A única maneira certa de atingi-lo é matando toda a população do país que se está tentando invadir ou ocupar.

Um monarca, obviamente, jamais teria tal interesse, pois ele quer adicionar - ao invés de destruir - uma determinada província, uma determinada cidade ou mesmo um determinado castelo à sua propriedade privada.  E, para atingir esse objetivo satisfatoriamente, é de seu interesse causar os mínimos danos possíveis - afinal, de nada adianta adquirir bens destruídos e sem valor.

Portanto, embora para um monarca fosse mais fácil começar uma guerra, também lhe era mais fácil determinar quando o objetivo havia sido atingido, o que dava fim à guerra.

Nunca houve alguma motivação ideológica que levasse diferentes reis a guerrearem entre si, ao passo que as democracias - assim como as guerras religiosas - são um conflito de civilizações, um conflito de sistemas de valores praticamente impossível de se controlar.

Ademais, as guerras iniciadas por reis eram vistas pelo público meramente como um conflito entre monarcas, uma vez que os reis geralmente dependiam de voluntários para lutarem suas guerras.  Já nas democracias, todo o país participa da guerra, todos os seus recursos são forçosamente desviados para o esforço da guerra e nele são exauridos.

Com a democracia surgiu também o serviço militar obrigatório - uma situação típica em várias democracias atuais -, no qual os indivíduos são obrigatoriamente recrutados e forçados a ir às guerras.  O argumento utilizado para tal escravidão mortal é: "já que agora você tem uma participação no estado (afinal, estamos em uma democracia), você também tem de lutar as guerras do estado".

Já sob uma monarquia as pessoas não tinham uma participação no estado; o estado era visto como pertencente ao rei, sendo os cidadãos uma entidade completamente separada do estado.  Por causa disso, o envolvimento da população nas guerras monárquicas era muito limitado.

Nacionalismo

Erik von Kuehnelt-Leddihn costumava dizer que uma das coisas de que ele mais gostava nos regimes monárquicos era o fato de que havia muito menos nacionalismo - o nacionalismo, obviamente, é uma característica democrática dos séculos XX e XXI.

Sob a monarquia não havia nada de errado em ser, por exemplo, um nobre germânico e ir trabalhar para a czarina da Rússia.  Pessoas que lutavam em vários lados também não eram consideradas "traidoras" da pátria. 

Foi com a ascensão da democracia que tivemos a ascensão da beligerante e inauspiciosa filosofia do nacionalismo.

As altas aristocracias foram, por assim dizer, as pessoas mais "internacionais" da história da civilização.  Praticamente todos os altos nobres eram interrelacionados com aristocratas de outros países.  O Kaiser alemão, por exemplo, tinha relações com os monarcas britânicos e russos.  Todos os soberanos de Europa também tinham, de alguma forma indireta, ligações com Maomé - logo, com países islâmicos.

Quando havia contendas entre monarcas, estas eram vistas como brigas entre famílias.  Sendo assim, o sentimento de nacionalismo era impossível de surgir - até porque, novamente, os nobres eram a mais internacionalista das classes de pessoas que existiam.  Portanto, sentimentos nacionalistas eram totalmente estranhos e atípicos para uma classe como aquela.

E isso certamente poupou várias vidas e evitou muito empobrecimento.

Hans-Hermann Hoppe é um membro sênior do Ludwig von Mises Institute, fundador e presidente da Property and Freedom Society e co-editor do periódico Review of Austrian Economics. Ele recebeu seu Ph.D e fez seu pós-doutorado na Goethe University em Frankfurt, Alemanha. Ele é o autor, entre outros trabalhos, de Uma Teoria sobre Socialismo e Capitalismo eThe Economics and Ethics of Private Property.


domingo, 6 de outubro de 2013

IV Encontro Monarquista Sul Brasileiro



Com a presença do Príncipe Dom Bertrand de Bragança e organizado pelo Círculo Monárquico Nossa Senhora do Desterro, realizou-se na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, na Casa José Boiteux o IV Encontro Monárquico Sul Brasileiro, neste sábado dia 5 de outubro de 2013.
Palestas de alto nível com temas super interessantes.

IV Encontro Monarquista Sul Brasileiro

Com a presença do Príncipe Dom Bertrand de Bragança e organizado pelo Círculo Monárquico Nossa Senhora do Desterro, realizou-se na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, na Casa José Boiteux o IV Encontro Monárquico Sul Brasileiro, neste sábado dia 5 de outubro de 2013.
Palestas de alto nível com temas super interessantes.

[fb_embed_post href="https://www.facebook.com/media/set/?set=a.312566015552272.1073741825.151492681659607&type=3"/]

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Fwd: A História do Brasil em decomposição

MUSEU NACIONAL

A História do Brasil em decomposição

 

Quem vê a fachada do mais antigo museu brasileiro, o Nacional, da UFRJ, na Quinta da Boa Vista, no Rio, não tem ideia de quanto ele precisa de reformas urgentes. A fachada foi restaurada há três anos, e está um brinco, mas a parte dos fundos do Museu Nacional está aos pandarecos. Infiltrações (foto abaixo), esquadrias avariadas, banheiros precários. Só para citar alguns problemas.

Hoje, quando o museu completa 195 anos, a reunião anual com os servidores terá também informações sobre a criação de uma pré-comissão do bicentenário, que vai acontecer 2018. Esse grupo vai começar a estudar as prioridades para a revitalização de museu que tem simplesmente um dos maiores acervos de História Natural da América Latina. São 20 milhões de peças, das quais estão expostas menos de dez mil. Um terço das exposições está fechado por causa da falta de condições do prédio. Há seções inteiras longes da vista do público, como a de vertebrados. Há bichos empalhados no chão. Enfim, um museu maravilhoso, que está sendo esquecido pelos organizadores dos grandes eventos internacionais que o Rio vai sediar até 2016.

Para a reforma das atuais instalações a estimativa é de que sejam necessários R$ 135 milhões, não disponíveis no orçamento. Fundado em 6 de junho de 1818 por Dom João VI, com o objetivo de promover o progresso cultural e econômico do país, o museu integra desde a década de 60 a estrutura acadêmica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Na fundação, o museu ficava no Campo de Santana. A partir de 1892 passou a ocupar o prédio do Palácio de São Cristóvão, onde nasceu D. Pedro II e onde viveram as famílias real e imperial do Brasil. Dom João VI morou ali em 1808, ano da chegada da família real portuguesa. Após a morte de Dona Maria I, em 1816, Dom João mudou-se definitivamente para o palácio, onde ficou até 1821. Com o fim do império, em 1889, Dom Pedro II abandona o local às pressas, na calada da noite, lembra a museóloga e historiadora Thereza Baumann, que assessora a direção do museu. Os republicanos foram implacáveis com a memória do local. Logo após a saída da família imperial, trataram de leiloar todos os bens do palácio.

Dos anos dourados de Dom Pedro II no Palácio de São Cristóvão, restam salas imponentes como a do Trono, onde o imperador despachava, a dos Embaixadores e a da imperatriz Teresa Cristina. A coleção de arte Greco-Romana, trazida da Itália, a pedido de Teresa Cristina, é outra preciosidade do museu, que guarda relíquias como o maior meteorito brasileiro, o Bendegó; e a reconstituição da provável face de Luzia, o esqueleto humano mais antigo das Américas, já encontrado.  A coleção egípcia do Museu Nacional é uma das mais antigas e importantes do gênero na América do Sul. Uma das joias é a múmia da dama Sha-Amun-Em-Su, do século VII AC, um presente dos egípcios ao imperador do Brasil.

A parte interna e lateral do prédio guardam tesouros escondidos do público, como dois jardins. O primeiro é um belíssimo jardim de inverno, onde o chafariz está desativado. Ali foi realizada a primeira Assembleia Constituinte da República, entre 1889 e 1891. O outro espaço é conhecido como o Jardim das Princesas, o playground de Isabel e sua irmã Leopoldina. Ali mesmo a mãe delas, a imperatriz Teresa Cristina, ornamentava os bancos de pedra e uma fonte com conchas e cacos de pratos de porcelana chinesa. A imperatriz provavelmente foi precursora da reciclagem no Rio. O terraço está abandonado e dá justamente para a parte do museu que será vista pela futura passarela a ser inaugurada para a Copa de 14. 

 




terça-feira, 17 de setembro de 2013

O Império brasileiro na base de dados Mapa/Sian

Excelente iniciativa para quem pesquisa sobre o período imperial. Acervo online poderá ser pesquisado. Os links da lista abaixo poderão ser acessados diretamente no site.

O Império brasileiro na base de dados Mapa/Sian

Dando sequência aos trabalhos sobre o período colonial e o período joanino, o programa de pesquisa da MAPA concluiu em 2013 a inserção, na base de dados Mapa/Sian, de informações sistematizadas sobre os cargos e órgãos da administração pública brasileira existentes durante o período imperial .

O trabalho incluiu não só as secretarias de Estado como também inúmeras repartições das mais diferentes áreas de atuação do governo central, incluindo instituições importantes como o Conselho de Estado. No total, são cerca de 300 órgãos que compuseram a administração pública entre 1822 e 1889,contemplando ainda os primeiros anos da República, mais especificamente até 1891, quando foi realizada a primeira grande reforma administrativa do novo governo.

Com essas informações, é possível traçar uma grande panorama da atividade administrativa do Estado brasileiro no século XIX, recuperando a trajetória destas instituições, de forma acompanhar as sucessivas alterações na sua estrutura, competência, subordinação, etc.

>Para saber mais, faça sua pesquisa na base de dados Mapa/Sian

 

Lista completa dos órgãos da administração imperial disponíveis na Base de Dados Mapa/Sian (por ordem alfabética):

Academia Militar e de Marinha
Alfândega da Bahia
Alfândega da Paraíba
Alfândega de Aracaju
Alfândega de Aracaty
Alfândega de Cametá
Alfândega de Corumbá
Alfândega de Maceió
Alfândega de Manaus
Alfândega de Paranaguá
Alfândega de Penedo
Alfândega de Pernambuco
Alfândega de Porto Alegre
Alfândega de Santa Catarina
Alfândega de Santos
Alfândega de São Borja
Alfândega de São Francisco
Alfândega de São José do Norte
Alfândega de Serpa
Alfândega de Uruguaiana
Alfândega do Ceará
Alfândega do Espírito Santo
Alfândega do Maranhão
Alfândega do Pará
Alfândega do Rio de Janeiro
Alfândega do Rio Grande [do Sul]
Alfândega do Rio Grande do Norte
Arquivo [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Arquivo Nacional
Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro
Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro
Asilo de Mendicidade
Asilo dos Meninos Desvalidos
Banco do Brasil
Biblioteca Nacional
Botica Real Militar
Caixa de Amortização
Caixa Econômica do Rio de Janeiro
Capitães-mores [das Ordenanças]
Cartorário/Cartório [da Contadoria-geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Cartório [do Tesouro Público Nacional]
Casa da Moeda
Casa de Detenção
Casa de Suplicação do Brasil
Casa Imperial
Casas de Fundição
Casas de Permuta
Chanceler-mor / Chancelaria-mor do Estado do Brasil
Cirurgião-mor do Reino, Estados e Domínios Ultramarinos
Classe da Correspondência com autoridades da Corte, 5ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Classe da Correspondência das Províncias, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Classe dos Negócios da Magistratura, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Classe dos Negócios Eclesiásticos, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Classe dos Ofícios da Justiça, 4ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Colégio Pedro II
Coletoria do Imposto sobre a Carne Verde
Coletorias das Rendas Gerais
Coletorias Gerais
Comissão do Registro Geral e Estatística das Terras Públicas e Possuídas
Companhia de Ordenanças
Conselho da Fazenda
Conselho de Assistência para a "Casa do S. José", "Colônia de S. Bento" e " Asilo do Conde de Mesquita"
Conselho de Estado
Conselho de Justiça Militar da cidade de São Luís do Maranhão
Conselho de Procuradores-gerais das províncias do Brasil
Conselho Diretor da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal
Conselho Nacional de Saúde
Conselho Naval -
Conselho Supremo Militar e de Justiça
Conselhos [de províncias]
Conservatório de Música
Conservatório Dramático
Consultor [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Consultor [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Consultor [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Consultor(es) [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Contadoria [do Arsenal de Guerra]
Contadoria, 1ª [da Diretoria-geral de Contabilidade do Tesouro Público Nacional]
Contadoria, 2ª [da Diretoria-Geral de Contabilidade do Tesouro Público Nacional]
Contadoria, 3ª [da Diretoria-Geral de Contabilidade do do Tesouro Público Nacional]
Contadoria-geral, 1ª [do Erário Régio]
Contadoria-geral, 2ª [do Erário Régio]
Contadoria-geral, 3ª [do Erário Régio]
Contadoria-geral da Guerra
Contadoria-Geral da Marinha
Contadoria-Geral da Revisão [do Tesouro Público Nacional]
Contadoria-Geral das Colônias [do Erário Régio]
Corpo de Bombeiros
Corpo Militar de Polícia da Corte
Correio do Rio de Janeiro
Depósito Geral da Capital Federal
Direção-geral [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Diretor [da Diretoria Central da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra] Diretor-Geral [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Diretor/Diretoria-geral de Despesa Pública [do Tesouro Público Nacional]
Diretor-Geral [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretor-geral [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Diretor-geral [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Diretor-geral dos Correios
Diretor-Geral/Diretoria-Geral [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Diretoria da Agricultura [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria das Obras Públicas [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria do Comércio [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria, 1ª – Central e dos Negócios da Agricultura, Comércio e Indústria [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Diretoria, 2ª – das Obras Públicas e Navegação [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Diretoria, 3ª – das Terras Públicas e Colonização [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria-Geral de Contabilidade [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Diretoria-geral de Contabilidade [do Tesouro Público Nacional]
Diretoria-Geral de Estatística
Diretoria-Geral de Estatística [do Tesouro Público Nacional]
Diretoria-geral de Rendas Públicas [do Tesouro Público Nacional]
Diretoria-geral de Tomada de Contas [do Tesouro Público Nacional]
Diretoria-geral do Contencioso [do Tesouro Público Nacional]
Diretoria-Geral dos Correios
Diretoria-Geral dos Negócios Econômicos e Consulares [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Diretorias / Diretores Gerais de Índios
Divisão de Arquivo [da Seção, 1ª - Central, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão de Expediente [da Seção, 1ª - Central, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão Militar da Guarda Real da Polícia do Rio de Janeiro
Divisão, 1ª [da Seção, 2ª - de Justiça e Ofícios de Justiça, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão, 1ª [da Seção, 3ª - de Polícia e Força Pública, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão, 2ª [da Seção, 2ª - de Justiça e Ofícios de Justiça, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão, 2ª [da Seção, 3ª - de Polícia e Força Pública, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Divisão, 3ª [Seção, 3ª - de Polícia e Força Pública, da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Escola de Agricultura Teórica e Prática
Escola de Engenharia
Escola de Marinha
Escola Nacional de Belas Artes
Escola Nacional de Minas e Metalurgia
Escola Normal
Escritório de Locação de Serviços [da Inspetoria Geral de Terras e Colonização]
Estabelecimento Rural de São Pedro de Alcântara
Estrada de Ferro D. Pedro II
Fábrica de Ferro de São João de Ipanema
Fábrica de Lapidar Diamantes
Fábrica de Pólvora da Estrela
Faculdade de Direito na Cidade de São Paulo
Faculdade de Direito na Cidade do Recife
Faculdade de Medicina da Bahia
Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro
Físico-mor /Fisicatura-mor do Reino, Estados e Domínios Ultramarinos
Gabinete do Ministro [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Gabinete do Ministro [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Gabinete do Ministro [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Gabinete do Ministro [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Guarda Urbana
Guardas Municipais
Hospedaria de Imigrantes da Corte
Hospício de Pedro Segundo
Hospital de São Sebastião
Hospital Marítimo de Santa Isabel
Hospital Real Militar da Bahia
Hospital Real Militar da Corte do Rio de Janeiro
Imperial Instituto dos Meninos Cegos
Imperial Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação
Imprensa Nacional
Inspeção Geral das Obras do Município da Corte
Inspetor da Colonização Estrangeira na Província do Rio de Janeiro
Inspetor dos Teatros da Corte
Inspetor-geral [do Tesouro Público Nacional]
Inspetoria Geral da Iluminação Pública da Corte
Inspetoria Geral das Terras e Colonização
Inspetoria Geral de Higiene
Inspetoria Geral de Saúde dos Portos
Inspetoria Geral dos Terrenos Diamantinos da Província da Bahia
Inspetoria Geral dos Terrenos Diamantinos da Província de Minas Gerais
Inspetoria Geral da Instrução Primária e Secundária do Distrito Federal
Inspetorias Comerciais
Inspetorias Escolares de Distrito
Instituto dos Menores Artesãos da Casa de Correção
Instituto dos Surdos-Mudos
Instituto Vacínico do Império
Intendência dos Diamantes
Intendências do Ouro
Intendente / Intendência da Marinha e Armazéns Reais [da Bahia]
Intendente /Intendência da Marinha da Corte
Intendentes-gerais do Ouro
Jardim Botânico
Junta Central de Higiene Pública 993 Casa de Correção do Rio de Janeiro
Junta Comercial da Capital do Império
Junta da Administração Diamantina do Tejuco
Junta da Bula da Cruzada
Junta da Instituição Vacínica da Corte
Junta de Gratificação dos Diamantes da Vila de Cuiabá
Juntas da Real Fazenda
Juntas de Justiça
Juntas Provisórias de Governo [das províncias]
Laboratório de Bacteriologia
Lazareto da Ilha Grande
Mesa do Desembargo do Paço da Relação do Maranhão
Mesa do Desembargo do Paço e da Consciência e Ordens
Mesa do Despacho Marítimo
Mesa do Tesouro Nacional
Mesas de Inspeção
Mesas de Rendas
Mesas do Consulado
Monte de Socorro da Corte
Museu Nacional
Observatório Nacional
Ouvidores de capitanias / comarcas
Pagadoria [da Diretoria-geral de Contabilidade, do Tesouro Público Nacional]
Pagadoria, 1ª [do Tesouro Público Nacional]
Pagadoria, 2ª [do Tesouro Público Nacional]
Polícia da Corte
Presidentes/ presidências de províncias
Provedores / Provedorias dos defuntos e ausentes
Provedor-mor / Provedoria-mor da Saúde da Corte e Estado do Brasil Instituto Comercial do Rio de Janeiro
Real Arquivo Militar
Real Junta da Fazenda dos Arsenais do Exército, Fábricas e Fundições
Recebedoria da Capital Federal
Recebedoria das Rendas Internas da Cidade da Bahia
Recebedoria das Rendas Internas da Cidade de Pernambuco
Recebedoria das Rendas Internas da Cidade de Rio Grande de São Pedro do Sul
Recebedoria das Rendas Internas da Cidade do Maranhão
Recebedoria das Rendas Internas do Pará
Registro Geral das Mercês
Relação da Bahia
Relação de Pernambuco
Relação do Maranhão
Repartição Central Meteorológica
Repartição de Faróis
Repartição do Ajudante General [da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Repartição do Quartel Mestre General [da Secretaria de Estado de Negócios da Guerra]
Repartição Geral dos Telégrafos
Repartição Hidrográfica
Repartições Especiais de Terras Públicas
Sargentos-mores [da Comarca]
Sargentos-mores [das Ordenanças]
Seção da Corte [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção da Despesa [da Diretoria-Geral da Contabilidade e da Administração]
Seção das Províncias [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção de Balanço [da Contadoria-Geral de Revisão, do Tesouro Público Nacional]
Seção de Contabilidade [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção de Dívida Pública [da Contadoria-geral de Revisão, do Tesouro Público Nacional]
Seção de Escrituração e Expediente [da Contadoria-Geral de Revisão, do Tesouro Público Nacional]
Seção de Revisão [da Contadoria-Geral de Revisão, do Tesouro Público Nacional]
Seção, 1ª – de Exame e Informações [da Secretaria da Guerra]
Seção, 1ª – de Expediente e de Material Fixo [da Repartição de Quartel Mestre General]
Seção, 1ª – do Protocolo [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Seção, 1ª [ da Diretoria do Comércio da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 1ª [da Contadoria-geral da Guerra]
Seção, 1ª [da Contadoria-geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Seção, 1ª [da Diretoria Central da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 1ª [da Diretoria da Agricultura da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 1ª [da Diretoria das Obras Públicas da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 1ª [da Repartição de Quartel Mestre General ou Diretoria do Material do Exército]
Seção, 1ª [da Repartição do Ajudante General ou Diretoria do Pessoal do Exército]
Seção, 1ª [da Repartição do Ajudante General]
Seção, 1ª [da Repartição do Ajudante General]
Seção, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 1ª [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Seção, 1ª [Repartição de Ajudante General]
Seção, 1ª [Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 1ª ou Central [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 2ª – de Expediente e Publicações [da Secretaria da Guerra]
Seção, 2ª – de Instrução, Obras Públicas, Saúde Pública, Polícia Civil, e Estabelecimentos de Caridade [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 2ª – de Material Móvel, adstrito ao Material Fixo [da Repartição de Quartel Mestre General]
Seção, 2ª – dos Negócios da Corte, Casa Imperial, Mercês e Naturalizações [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 2ª – dos Negócios Políticos e Diplomáticos [da Diretoria-Geral dos Negócios Diplomáticos, Consulares e Econômicos]
Seção, 2ª [ da Diretoria Central da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 2ª [ da Diretoria da Agricultura da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 2ª [da 1ª Diretoria-geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Seção, 2ª [da Contadoria-geral da Guerra]
Seção, 2ª [da Contadoria-geral da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Seção, 2ª [da Diretoria das Obras Públicas da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 2ª [da Diretoria de Comércio da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 2ª [da Repartição de Quartel Mestre General ou Diretoria do Material do Exército]
Seção, 2ª [da Repartição de Quartel Mestre General]
Seção, 2ª [da Repartição do Ajudante General ou Diretoria do Pessoal do Exército]
Seção, 2ª [da Repartição do Ajudante general]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 2ª [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Seção, 2ª [Diretoria-geral do Pessoal, 2ª ou Repartição do Ajudante General]
Seção, 2ª [Repartição de Ajudante General]
Seção, 3ª – Chancelaria e Arquivo [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Seção, 3ª – de Estatística, Indústria e Comércio [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 3ª – de Material Móvel, adstrito ao Pessoal do Exército [da Repartição de Quartel Mestre General]
Seção, 3ª – de Negócios e Benefícios Eclesiásticos [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 3ª – de Registro e Arquivo [da Secretaria da Guerra]
Seção, 3ª – dos Negócios da Administração Geral [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 3ª [da Contadoria-geral da Guerra]
Seção, 3ª [da Diretoria da Agricultura da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 3ª [da Diretoria das Obras Públicas da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 3ª [da Repartição de Quartel Mestre General ou Diretoria do Material do Exército]
Seção, 3ª [da Repartição de Quartel Mestre General]
Seção, 3ª [da Repartição do Ajudante General ou Diretoria do Pessoal do Exército]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Interior]
Seção, 3ª [da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros]
Seção, 3ª [Diretoria-geral do Pessoal, 2ª ou Repartição do Ajudante General]
Seção, 3ª [Repartição de Ajudante General]
Seção, 4ª – de Agricultura, Criação, Mineração, Colonização e Civilização dos Indígenas [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 4ª – de Instrução Pública e Ciências, Letras e Belas Artes [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 4ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 4ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 4ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 4ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 5ª – de Saúde Pública, dos Estabelecimentos de Beneficência e de Socorros Públicos [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 5ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 5ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha]
Seção, 5ª [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 6ª – de Agricultura, Comércio e Indústria [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 6ª – do Arquivo [da Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça]
Seção, 6ª [da Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas]
Seção, 7ª – das Obras Públicas dos Correios e de Navegação [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Seção, 8ª – do Arquivo [da Secretaria de Estado dos Negócios do Império]
Secretaria da Guerra
Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas
Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda
Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda [do Tesouro Público Nacional]
Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra
Secretaria de Estado dos Negócios da Justiça
Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha
Secretaria de Estado dos Negócios do Império
Secretaria de Estado dos Negócios do Império e Estrangeiros
Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros
Secretaria de Polícia da Corte
Superintendência da Fazenda de Santa Cruz
Tesouraria das Loterias
Tesouraria Geral [do Tesouro Público Nacional]
Tesouraria-geral dos Ordenados, Pensões, Juros e Tenças [do Erário Régio]
Tesouraria-mor [do Erário Régio]
Tesourarias das Províncias
Tesouro Público Nacional
Tribunal do Tesouro Público Nacional

sábado, 14 de setembro de 2013

Não existe questão Dinástica Brasileira


 Não existe questão Dinástica Brasileira

Príncipe D. Luíz de Orleans e Bragança (príncipe perfeito) e esposa 
    
     A questão dinástica (que alguns supõem que existe na Casa imperial do Brasil) remonta o ano de 1908, quando o então Príncipe Dom Pedro de Alcantara, herdeiro dinástico da Princesa Isabel renunciou os seus direitos dinásticos ao Trono do Brasil, por si e seus descendentes.
    Com a renúncia, a sucessão passaria para seu irmão o Príncipe Dom Luís de Orleans e Bragança (Príncipe Perfeito), e dai por diante, para seu filho Dom Pedro Henrique, e seu primogênito, Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança - Atual chefe da Casa Imperial. Quanto a renúncia, se deve ao fato do Príncipe Dom Pedro de Alcantara casar-se coma Condessa Maria Elizabeth Dobrzensky von Dobrzenicz, uma família antiga e aristocrata da Bohêmia, porém se laços com qualquer dinastia da Europa.
   Como mãe, a Princesa Isabel nada tinha a opor às intenções matrimonias de seu filho mais velho, mas, como de jure Imperatriz e Chefe da Casa Imperial Brasileira era  contrária a esse casamento por motivos dinásticos e talvez até políticos. Ela desejava que seu herdeiro dinástico contraísse um casamento dinástico, ou seja, que o Príncipe D. Pedro de Alcântara se casasse com uma Princesa de uma das casas dinásticas da Europa. Caso contrário, deveria renunciar aos seus direitos de sucessão. E ela exigiu isto de seu filho. Para D. Pedro de Alcântara havia, entretanto, quatro alternativas: efetuar um casamento Dinástico, mantendo-se a tradição secular da Dinastia e o desejo de sua mãe; efetuar um casamento não-Dinástico, renunciando aos seus direitos Dinásticos, como mandava a tradição; efetuar um casamento morganático, com a perda de qualquer direito Dinástico para seus eventuais herdeiros, estabelecendo assim um clima constrangedor para a Dinastia, e que certamente não seria aceito por sua mãe; manter-se solteiro, o que não seria salutar para um herdeiro.
     Até a sua morte em 29 de janeiro de 1940, em Petrópolis, onde residia no Palácio Grão-Pará, D. Pedro de Alcântara sempre honrou essa renúncia. Quando qualquer monarquista se dirigia a ele sobre questões monárquicas brasileiras, após a morte da Princesa Isabel em 14 de novembro de 1921, ele sempre encaminhava seu interlocutor ao seu sobrinho D. Pedro Henrique, que sucedeu a Princesa Isabel (já que seu pai, D. Luís, havia falecido em 23 de março de 1920, portanto um ano e oito meses  antes de sua mãe), e que continuava a morar na França, até 1945.
     Após a morte de seu pai, o Príncipe Dom Pedro Gastão (19.2.1913), seu herdeiro, começou a questionar a validade da renúncia. Entretanto, ao perceber que a maioria dos monarquistas não o considerava como herdeiro dinástico, D. Pedro Gastão não levou essa questão muito adiante. O assunto só voltou a ser centro das atenções, particularmente da mídia, por ocasião da campanha plebiscitária de 1993, quando muitos questionavam, inclusive monarquistas, se o Príncipe D. Luiz de Orléans e Bragança, o então herdeiro dinástico, estava apto para assumir o posto de Imperador, caso a monarquia vencesse no plebiscito.

INSTRUMENTO DE RENÚNCIA
Príncipe Dom Pedro de Alcântara de Orléans e Bragança
"Eu o Principe Dom Pedro de Alcantara Luiz Philippe Maria Gastão Miguel Gabriel Raphael Gonzaga de Orleans e Bragança, tendo maduramente reflectido, resolvi renunciar ao direito que pela Constituição do Imperio do Brazil promulgada a 25 de Março de 1824 me compete à Corôa do mesmo Paiz. Declaro pois que por minha muito livre e espontanea vontade d'elle desisto pela presente e renuncio, não só por mim, como por todos e cada um dos meus descendentes, a todo e qualquer direito que a dita Constituição nos confere á Corôa e Throno Brazileiros, o qual passará ás linhas que se seguirem á minha conforme a ordem de successão estabelecida pelo Art. 117. Perante Deus prometto por mim e meus descendentes manter a presente declaração."

Cannes 30 de Outubro de 1908
Assinado: Pedro de Alcantara de Orleans e Bragança

  Nota:
  a) Esse ato de renúncia foi emitido em três vias e assinado na presença da Princesa Da. Isabel de Orléans e Bragança, de jure Imperatriz do Brasil, e membros da Família Imperial.
  b) Em 9 de novembro de 1908, a Princesa Isabel enviou uma das três vias ao Diretório Monárquico do Brasil, no Rio de Janeiro.
 "A Legitimidade Monárquica no Brasil" por Armando Alexandre dos Santos, Artpress, São Paulo, 1988. (O autor é genealogista).

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Fwd: Descoberto sítio arqueológico no Rio com peças da época do Império

Esta descoberta é muito importante para quem estuda o período do Brasil Império.

Descoberto sítio arqueológico no Rio com peças da época do Império
Do UOL, em São Paulo
13/09/201317h16
Sítio arqueológico da época do Império é descoberto no Rio de Janeiro
Entre os achados mais importantes estão 15 escovas de dente em osso e marfim, com a inscrição em francês: "S M L"EMPEREUR DU BRESIL" (Sua majestade, o imperador do Brasil). Acredita-se que ela pertenceu a Dom Pedro II ou outro membro da família real portuguesa, que vivia ali perto em São Cristóvão Divulgação
Foram encontradas mais de 200 mil peças, inteiras ou fragmentadas, que remontam ao Rio de Janeiro dos séculos XVII, XVIII e XIX, nas obras da Linha 4 do metrô, que liga a Barra da Tijuca a Ipanema, no Rio de Janeiro.

"Podemos estar diante do mais importante sítio arqueológico da cidade. A quantidade e qualidade do material encontrado são impressionantes", afirma Cláudio Prado de Mello, arqueólogo responsável pelo trabalho de pesquisa no local.

Um dos objetos encontrados por Cláudio e sua equipe - que conta com 26 profissionais, entre arqueólogos, historiadores, biólogos e ajudantes -, foi uma escova de dente em marfim e osso com a inscrição em francês: "S M L'EMPEREUR DU BRESIL" (Sua majestade, o imperador do Brasil). Acredita-se que ela pertenceu a Dom Pedro II ou outro membro da família real portuguesa, que vivia ali perto em São Cristóvão. Além da inscrição, a tese é reforçada não só pela proximidade da região com o Palácio da Quinta da Boa Vista, mas também pelo fato de a história mostrar que a região da atual Leopoldina servia como local de descarte de resíduos provenientes do Palácio Imperial. Há ainda canecas com o brasão da família real, frascos de perfume e joias dos nobres da época do Império.

"Entre 50 centímetros e 2,5 metros da superfície encontramos peças de louça, vidro, porcelana, couro e até ouro. Com este trabalho, iniciado em março, é possível reconstituir o passado de toda essa região", diz Cláudio.

As peças foram encontradas no terreno da Avenida Francisco Bicalho, ao lado da antiga estação de trens da Leopoldina, onde foi instalada a fábrica de anéis de concreto que serão utilizados na escavação dos túneis do metrô. Em todo o empreendimento da Linha 4 do Metrô, a equipe de arqueologia acompanha a execução das obras para o caso de aparecer algum material durante as escavações. No entanto, na Leopoldina o serviço foi intensificado, pois já se tinha notícia da existência do sítio arqueológico, apesar de, até então, nunca terem sido feitas prospecções no local.

Os materiais têm sido resgatados com extremo cuidado e depois de estudados e catalogados, serão enviados para uma instituição de pesquisa arqueológica que será definida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

História
Os primeiros habitantes da região da Leopoldina foram índios que procuravam as águas tranquilas e quentes do Saco de São Diogo para
caçar e pescar. As pesquisas históricas indicam que ali bem perto na área do Gasômetro vivia a tribo de Araribóia e que depois da chegada dos franceses ao Rio de Janeiro, por volta de 1570, foram levados para Niterói.

Mais tarde, D. João VI decidiu se mudar do Paço da Cidade (Praça XV) para São Cristóvão. Fato que determinou as profundas mudanças que o local iria passar. Por volta de 1808 e 1809, começou-se a fazer um aterro que facilitaria o caminho do Rei e de seus súditos. O "Caminho das Lanternas" ou o "Aterrado das Lanternas", pois colocava-se uma espécie de poste para iluminar o trajeto, seguia da região da atual Central do Brasil até São Cristóvão.

No meio do caminho estava o Largo do Matadouro, atual Leopoldina. No local existiu entre 1853 e 1881 o local oficial do abate de animais que era controlado pelo poder público. O Matadouro Imperial de São Cristóvão foi inaugurado em 1853 e foi utilizado ativamente até passar a incomodar pelo mau cheiro e abutres que perseguiam os restos de animais.

Em 1881, o matadouro foi transferido para a antiga Fazenda dos Jesuítas, em Santa Cruz, e os pavilhões da região da Leopoldina, foram demolidos. O único remanescente das construções é o pórtico neoclássico de acesso que pode ser visto na atual Praça da Bandeira, na entrada da Escola Nacional de Circo.

Fwd: IV Encontro Monárquico Sul Brasileiro



IV Encontro Monárquico Sul Brasileiro

Florianópolis – 5 e 6 de outubro de 2013


5 de outubro (sábado)


 9h30 — Recepção aos participantes no salão de eventos do Instituto Histórico e '    Geográfico de Santa Catarina (Avenida Hercílio Luz, 523 – Centro)

10h00 — Sessão de Abertura

10h20 — Marechal de Campo Barão do Batovi: herói sacrificado

   Dr. Henrique d'Eça Neves

11h10 — Intervalo – coffee-break

11h20 — Punição ao cidadão e liberdade ao ladrão — a verdadeira face do novo código    penal – Prof. Dr. Gilberto Callado de Oliveira

12h15 — Almoço

15h00 — Polícia Militar: do Império à República – Coronel PMSC Marlon Jorge Teza

16h00 — Constituição de 1824. Alvorada do pensamento liberal na América e    construção de um verdadeiro Estado Constitucional

   Prof. Dr. Laércio Lopes de Araújo

17h00 — Intervalo – coffee-break

17h30 — Barão de Gravataí: lealdade e generosidade em prol do Império

   Acadêmico Mário Pereira

18h30 — Palavras finais de S.A.I.R. o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de    Orleans e Bragança — Entrega de diploma aos participantes

21h30 — Jantar de encerramento


6 de outubro (domingo)


10h00 — Missa tridentina em ação de graças na Igreja do Divino Espírito Santo (Praça    Getúlio Vargas - Florianópolis), com a participação do grupo vocal Cantus Firmus.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

Participação com coffee-break: estudantes – R$ 30,00, não estudantes – R$ 60,00

Para quem fizer a inscrição até o dia 20 de setembro de 2013 haverá um desconto de R$ 10,00.

Envio este formulário e a taxa de inscrição por Depósito no Banco do Brasil, agência 4783-X, conta nº 9964-3, com cópia, ao "Círculo Monárquico Nossa Senhora do Desterro" – Rodovia Haroldo Soares Glavan, 1950, casa 12, Cacupé, Cep: 88050-005, Florianópolis, Santa Catarina, tel. (48) 3229-9009, fax. (48) 3229-9288, e-mail: goliveira@mp.sc.gov.br. (OBS: As inscrições feitas após o dia 20 de setembro de 2011 deverão ser enviadas por fax ou por e-mail).


Nome: ________________________________________________ Nascimento ___ /___ /___

Endereço: ___________________________________________________________________

CEP: __________ Cidade: _______________________UF:___ Telefone: _________________

Profissão: _______________________ E-mail ______________________________________


Sugestão de hotéis próximos ao local do Encontro:

Oscar Hotel (Av. Hercílio Luz, 760) www.oscarhotel.com.br

Centro Sul Hotel (Av. Hercílio Luz, 652) www.centrosulhotel.com.br

Cecontur Hotel (Rua Arciprestre Paiva, 107) www.cecomturhotel.com.br




--
Comendador Mauro Demarchi
Twitter: @maurodemarchi @monarquiaja
Membro-Fundador da Academia de Letras do Brasil/SC - Alfredo Wagner